quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Santa Cruz 0 x 0 Sport



Fotografias de Ricardo Fernandes / DP

SANTA CRUZ 0 x 0 SPORT

João de Andrade Neto

Demorou 100 anos para que Santa Cruz e Sport se enfrentassem pela primeira vez em um torneio internacional. No caso, válido pela Copa Sul-Americana. No entanto, um clássico desse tamanho merecia bem mais. Em todos os fatores. A começar pelo público, que não fez jus a alcunha de “multidões” que o duelo carrega, com apenas 5.517 torcedores presentes. Dentro de campo, as duas equipes também deixaram a desejar. Com um futebol de muita marcação, mas pouca inspiração, tricolores e rubro-negros não saíram do 0 a 0, na estreia do duelo também na Arena de Pernambuco.
Placar que, pelo menos, deixa tudo em aberto para o jogo de volta, quarta-feira que vem, novamente na Arena. Quem vencer avança para enfrentar Independiente de Medellin-COL ou Deportivo Luqueno-PAR. Já um empate com gols favorece aos corais, já que o mando da volta pertence aos leões.
Para a partida, os dois treinadores parecem ter se rendido a importância histórica do primeiro confronto internacional entre tricolores e rubro-negros. Ao contrário do que se especulava, nada de times mistos, com Santa e Sport em campo com todos os seus titulares. O que, no entanto, não impediu o primeiro tempo de ser fraco tecnicamente.
Nos minutos iniciais, coube ao Sport a maior posse de bola. No entanto, faltava ao Leão um maior poder de definição dos lances. Tanto que o primeiro chute com certo perigo à meta de Tiago Cardoso só veio aos 33 minutos, com Rogério arriscando de fora da área e o arqueiro tricolor defendendo em dois lances. Contribuiu para a falta de um maior poderio ofensivo rubro-negro as atuações apagadas de Gabriel Xavier, sumido em campo, e Éverton Felipe, errando quase tudo que tentava.
Pelo lado do Santa, a proposta inicial de apostar apenas na velocidade dos contra-ataques, aos poucos, foi dando espaço também a uma melhor troca de passes e uma postura mais aguda. Tanto que entre os 15 e os 23 minutos foram três finalizações. Com direito também a duas “cheiradas” bisonhas do volante Derley. Na melhor chance de gol, a argentino Pisano chutou por cima, após a bola sobrar livre na entrada da pequena área.
Por sinal, o preenchimento de espaços em frente a área de Magrão foi outro mérito coral, que praticamente ficou com todos os rebotes ofensivos. No entanto, apesar do Santa terminar os primeiros 45 minutos um pouco melhor, as duas equipes desceram para o vestiário com o placar em branco.
Para o segundo tempo, os dois treinadores optaram por voltar com as mesmas formações. Mas não por muito tempo. Ainda no embalo da primeira etapa, o Santa iniciou tomando a iniciativa do jogo. O momento coral fez com que Oswaldo de Oliveira modificasse o Sport logo aos sete minutos (algo que não costuma fazer) ao sacar Edmílson para a entrada do colombiano Ruiz. Dez minutos depois, foi a vez do Santa mudar e reforçar a marcação, com Danilo Pires na vaga de João Paulo. O clássico voltaria a ficar truncado. E equilibrado. Só aos 23, o coral Pisano voltaria a mexer com as torcidas na Arena ao chutar com perigo.
Oswaldo ainda colocariam em campo mais dois estrangeiros, com Lenis e Mark González nas vagas de Everton Felipe e Rodney Wallace. Já pelo lado tricolor, Doriva ainda tentou dar mais velocidade ofensiva com Wallyson na vaga de Grafite. Nada, porém, foi capaz de tirar o zero do placar. O primeiro Clássico das Multidões internacional merecia mais.

Ficha do jogo

SANTA CRUZ: Tiago Cardoso; Léo Moura, Luan Peres, Danny Morais e Allan Vieira; Uillian Corrêa, Derley, João Paulo (Danilo Pires) e Pisano; Keno (Marion) e Grafite (Wallyson). Técnico: Doriva.

SPORT: Magrão; Samuel Xavier, Matheus Ferraz, Ronaldo Alves e Rodney Wallace (Mark Gonzalez); Paulo Roberto, Rithely, Éverton Felipe (Lenis), Gabriel Xavier e Rogério; Edmilson (Ruiz). Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Local: Arena de Pernambuco. Árbitro: Julian Bascuñan (Chile-Fifa). Assistentes: Marcelo Barraza e Christian Schierman (ambos do Chile). Cartões amarelos: Matheus Ferraz, Paulo Roberto (S), Derley (SC). Público: 5.517. Renda: R$ 71.085,00.


Fonte: Diario de Pernambuco, Recife, 24/8/2016

Nenhum comentário: