domingo, 29 de maio de 2016

Chapecoense 1 x 1 Santa Cruz


Fotografia de Márcio Cunha / Estadão Conteúdo

CHAPECOENSE 1 x 1 SANTA CRUZ

Davi Saboya
Desta vez o Santa Cruz não foi eficiente. Segurou a Chapecoense por boa parte dos 90 minutos, mas no único vacilo sofreu o empate e acabou a quarta rodada do Campeonato Brasileiro da Série A com o placar de 1×1 na Arena Condá. Os gols da partida foram marcados por Arthur e Tiago Costa (contra). Por outro lado, a equipe coral continua invicta.
Com o resultado, o Tricolor dorme neste sábado (28) na liderança do Brasileirão e vai secar o Grêmio, Internacional e Palmeiras no complemento da rodada. O próximo jogo da equipe coral na competição é o clássico contra o Sport, nesta quarta-feira, às 21h, no Arruda.

O JOGO

A partida começou com as duas equipes mostrando bastante dificuldade na construção das jogadas ofensivas. Como não estava conseguindo penetrar na defesa do Santa Cruz com a bola no chão durante o início do duelo, a Chapecoense utilizou o seu ponto forte: a bola aérea. Aos 10, depois da cobrança de escanteio, Kempes mandou de cabeça e a bola passou perto da meta do goleiro Tiago Cardoso. Foi o primeiro lance perigoso dos donos da casa.
Durante os primeiros 20 minutos, a Chapecoense realizou a tradicional pressão do mandante em cima do visitante e só que conseguiu levar perigo nas jogadas de bola parada. Já o Santa Cruz esboçava investidas com o atacante Kenon pelo lado esquerdo, mas sempre errava no último passe. Apesar de não ter conseguido assustar a equipe catarinense, a defesa do Tricolor suportou os ataques sofridos.
Durante todo o primeiro tempo, Keno foi a válvula de escape do time coral. Quando o Santa Cruz tinha a posse de bola, o camisa onze era lançado, mas não conseguiu completar as jogadas. Só que Keno não desistiu e o Tricolor manteve a sua característica: eficiência. O atacante não precisou usar a sua velocidade. Aos 37, ele levantou a bola na cabeça do pequenino Arthur que subiu mais alto que a defesa adversária e mandou para o fundo da rede. Foi o primeiro ataque do Tricolor na partida.
Na etapa final, o Santa Cruz manteve o mesmo estilo do primeiro tempo. Esperou a Chapecoense atacar para sair no contra-ataque. E logo aos 6, a segunda finalização coral. João Paulo lançou Wallyson pelo lado direito. Ele se livrou do marcador, invadiu a área, e bateu em cima do goleiro Danilo. Só quatro minutos depois, o time catarinense conseguiu assustar pela primeira vez na partida o Tricolor com a bola no chão. Silvinho saiu fazendo fila pelo lado esquerdo, invadiu a área e bateu na rede pelo lado de fora.
Por baixo estava difícil. Então a Chapecoense seguia tentando por cima. Cleber Santana cobrou a falta na cabeça de Josimar que desviou e a bola tirou tinta do travessão. Durante todo o segundo tempo, os donos da casa pressionaram o Santa Cruz. Até o atacante Grafite estava no campo defensivo apoiando na marcação.
Por mais que o Tricolor tenha conseguido segurar a vitória durante boa parte da partida, no único vacilo, sofreu o empate. Aos 38, Tiago Costa tentou afastar o cruzamento de cabeça e mandou contra o próprio gol. Os catarinenses ainda tentaram a virada, mas não tiveram sucesso. Já os pernambucanos terminaram o confronto bastante desgastados fisicamente e não conseguiram buscar a reação.

FICHA TÉCNICA

CHAPECOENSE: Danilo; Cláudio Winck (Gimenez), Willian Thiego, Marcelo, Dener; Gil, Josimar (Hyoran), Cleber Santana; Lucas Gomes, Silvinho e Kempes (Bruno Rangel). Técnico: Guto Ferreira.

SANTA CRUZ: Tiago Cardoso; Léo Moura (Everaldo), Alemão, Danny Morais, Tiago Costa; Uillian Correia, João Paulo, Wallyson (Alex Bolaños); Arthur, Keno (Allan Vieira) e Grafite. Técnico: Milton Mendes.

Local: Arena Condá, Chapecó (SC). Árbitro: Rafael Traci (PR). Assistentes: Pedro Martinelli Christino e André Luiz Severo (ambos do Paraná). Cartões amarelos: Cleber Santana (Chapecoense) Keno, Wallyson, Tiago Costa e Grafite (Santa Cruz). Gols: Arthur aos 37 do 1ºT e Tiago Costa, contra, aos 38′ do 2ºT. Público: 4.734 torcedores.Renda: 52.050 reais.

Fonte Jornal do Commercio, Recife, 28/5/2016

Nenhum comentário: