domingo, 15 de novembro de 2015

Botafogo-RJ 0 x 3 Santa Cruz


BOTAFOGO-RJ 0 x 3 SANTA CRUZ

Natália Santos

Uma vitória para empolgar, encher o time de moral, a torcida de esperanças e diminuir exponencialmente o número de incrédulos que ainda duvidam da capacidade do Santa Cruz. A matemática ainda não garante o acesso à Série A, mas nos últimos jogos a equipe coral tem dado prova de que isso está cada vez mais próximo de acontecer. Diante de um Botafogo já assegurado na Primeira Divisão do próximo ano, o Tricolor se impôs e garantiu três pontos importantes na luta para deixar a Série B. Mais do que comemorar uma vitória por 3×0, fora de casa e contra o líder da competição, os pernambucanos testemunharam talvez uma das partidas mais aplicadas do time. Caso vençam o Mogi Mirim, na próxima rodada, o Tricolor pode, enfim, cravar seu nome na lista de clubes que disputarão o Brasileirão 2016. No melhor linguajar do futebol, o Santa “está com cara de quem vai subir”.
Com os retornos de João Paulo e Vítor, que cumpriram suspensão automática na rodada passada, o técnico Marcelo Martelotte voltou a montar a equipe titular com apenas um volante de origem, no caso Wellington Cezar. Bileu perdeu a vaga no time principal para Daniel Costa. Com uma proposta mais ofensiva, o Tricolor não se limitou apenas a se defender. Logo nos primeiros minutos, o atacante Luisinho quase marcou um golaço, após um chapéu no zagueiro alvinegro.
A tática de Martelotte, porém, expôs novamente alguns problemas antigos, principalmente nos contra-ataques. Com espaço para atacar, foi o Botafogo quem mais chegou perto de balançar as redes. Aos 31, Willian Arão recebeu na linha de fundo e chutou cruzado. Tiago Cardoso desviou. A bola sobrou para Neilton, que tocou para Diego Jardel. O gol do meia só não aconteceu porque Danny Morais cortou a bola que tinha endereço certo no fundo das redes. Minutos depois, novamente em jogada pelas costas do lateral-esquerdo Allan Vieira, o Fogão chegou perigosamente. Dessa vez foi Tiago Cardoso quem garantiu o placar em branco na primeira etapa. No lado coral, quem ia se consagrando era Vítor, em chute do meio-campo que quase pegou Helton Leite desprevenido.
O Santa desarmou mais, finalizou mais, teve mais escanteios e errou menos passes. Nas estatísticas, o Tricolor já estava superior ao Botafogo. Faltava apenas o gol. Logo na volta do intervalo, aos cinco minutos, o Santa Cruz conseguiu o que vinha batendo na trave desde o início do jogo: uma conclusão certeira. Luisinho recebeu na direita e cruzou rasteiro, deixando a bola nos pés do atacante Grafite. O camisa 23 deu um toque para trás e deixou Lelê na cara do gol para marcar o primeiro tento tricolor na partida. Estava aberto o placar no Engenhão.
A Cobra Coral cresceu ainda mais no jogo e foi para cima do alvinegro carioca, que seguiu errando passes na saída de jogo. Em um contragolpe. bem arquitetado, os pernambucanos ampliaram. Daniel Costa lançou para Luisinho. Na cara do gol, o atacante não foi “fominha” e tocou de lado para Grafite fazer seu sétimo gol na Segundona.
A vantagem já estava de bom tamanho para os tricolores, mas ainda sobrou tempo para Bruno Moraes deixar o dele. Após um cruzamento de esquerda de Allan, Bruno Moraes se adiantou e mandou para o fundo da rede. A festa estava feita no Engenhão. Foi a hora da torcida do Santa Cruz gritar “olé” a cada toque de bola da equipe e comemorar a vitória conquistada no Rio de Janeiro. E para quem imaginou um título do Botafogo antecipado, o final do jogo teve até vaia para os mandantes. Com o resultado, o Tricolor se manteve na quarta posição, com 61 pontos, abrindo quatro de diferença para o quinto colocado, o Bragantino. Não há como o Santa deixar o G4 na próxima rodada. O Tricolor está a uma vitória de voltar à elite do futebol nacional.

FICHA DO JOGO

BOTAFOGO: Helton Leite; Luis Ricardo, Roger Carvalho, Giaretta e Carleto; Rodrigo Lindoso, Camacho (Fernandes), Willian Arão e Diego Jardel (Elvis); Neilton e Navarro (Ronaldo). Técnico: Ricardo Gomes.

SANTA CRUZ: Tiago Cardoso; Vitor, Alemão, Danny Morais e Allan Vieira; Wellington Cézar, Daniel Costa (Vinicius Reche) e João Paulo; Luisinho, Grafite (Bruno Moraes) e Lelê (Bileu). Técnico: Marcelo Martelotte.

Local: Engenhão (Rio de Janeiro-RJ). Árbitro: Héber Roberto Lopes (Fifa-SC). Assistentes: Kléber Lúcio Gil (Fifa-SC) e Carlos Berkenbrock (SC). Gols: Lelê, aos 4 minutos do 2º T; Grafite, aos 22 do 2ºT; e Bruno Moraes, aos 30 do 2º T. Cartões Amarelos: João Paulo, Lelê, Grafite e Daniel Costa (Santa); Carleto (Botafogo). Público: 23.035 pessoas.

Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 14/11/2015

Nenhum comentário: