domingo, 29 de novembro de 2015

O valor do vice-campeonato


O VALOR DO VICE-CAMPEONATO

Após o triunfo por 3×1 do Santa Cruz sobre o Vitória – resultado que garantiu o vice-campeonato da Série B para o Tricolor -, o técnico Marcelo Martelotte elogiou o comprometimento dos atletas em atuarem em alto nível em uma partida que teoricamente não valia nada. Sobre a renovação de contrato para 2016, porém, o comandante preferiu despistar.

Confira os principais trechos da entrevista coletiva:

Reta final

A força do grupo, a força do elenco foi o principal. A consciência de que tínhamos capacidade. Se não fizessem isso, estaríamos perdendo uma oportunidade levar o Santa para a Série A. Nesta reta final, os jogadores tiveram essa consciência. Colocaram em campo, não só nos últimos jogos, todo o empenho para conquistarmos a sequencia de vitórias. Este resultado veio para coroar a campanha. Estão todos de parabéns pela dedicação.

Planejamento

Vamos descansar. Acho que todos merecem um descanso, para recarregar a bateria e para que possamos pensar em 2016. Vivemos um momento de definições, acaba uma competição e outras coisas já se iniciam. É interessante pensarmos no ano que vem, mas até agora não temos nada. Só temos o interesse de ambas as partes, até agora. Não iniciamos nada em relação a renovação. Isso eu acho até prudente fazer pós-campeonato. Devemos iniciar a partir desta semana e espero que acabe tudo bem.

Propostas de outras clubes

Não existiram nada de propostas. Lógico que sou profissional, para mim é gratificante, mas não existe proposta. Tive um a sondagem do Goiás durante a Série B, mas foi em outro momento. As coisas vão começar a acontecer a partir da próxima semana, quando a acaba a Série A. Vou conversar primeiro com o Santa Cruz.

Festa

Já vimos vários jogos de festa se transformarem em resultados ruins. Hoje, o time jogou mais soltou, mas muito comprometido. O jogo valia o titulo de vice-campeão da Série B. Se precisássemos do resultado, conseguiríamos jogar nesse nível. É difícil manter o grupo comprometido com o objetivo já alcançado. Mas eles mostraram o caráter e o comprometimento.

Série A

Sabemos das dificuldades de uma Primeira Divisão, principalmente para os times que sobem. Vamos encarar a dificuldade de frente. Vai ser um ano mais difícil, mas temos que nos preparar. O torcedor tem que encarar com prazer.

Renovações dos jogadores

Essas definições não passam apenas pelo meu interesse ou do clube. As renovações são situações individuais. Alguns jogadores se valorizaram, deverão receber propostas de outros clubes. Depende também da vontade dos atletas, do próprio mercado. São coisas para serem definidas mais para frente. Temos uma base interessante para iniciar 2016 com força. Vamos em busca dos títulos do Pernambucano e da Copa do Nordeste, por termos essa base interessante.

Dificuldades na Série B

Na verdade, toda campanha tem momentos difíceis. O que define o sucesso no final é a forma que você encara os momentos complicados. Raramente perdemos dois jogos seguidos, por exemplo. Sempre recuperávamos na rodada seguinte. Demos respostas em cima de resultados ruins. Nossa campanha foi fundamental como mandante.

Sul-americana

O vice-campeonato vale mais que a participação na Sul-Americana. Muitos clubes abrem mão, pela Copa do Brasil. Não acho que seja o principal para o planejamento do clube.


Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 28/11/2015

Santa Cruz 3 x 1 Vitória-BA


SANTA CRUZ 3 x 1 VITÓRIA-BA

Não poderia ter desfecho melhor para o Santa Cruz. Sem o peso de um confronto decisivo, o Tricolor pernambucano e Vitória fizeram, na tarde deste sábado (28), no Arruda, uma partida bem aberta, bem jogada e com boas oportunidades de gols para os dois times. Apesar das muitas chances desperdiçadas – sobretudo no primeiro tempo – a Cobra Coral bateu o Leão baiano por 3 a 1, com gols de Allan Vieira, Daniel Costa e Bruno Moraes. O tento do Leão foi marcado por Vander.

O JOGO

Atuando dentro de casa e com o apoio maciço das arquibancadas, O Tricolor pernambucano cansou de perder gols no primeiro tempo. Logo aos sete minutos, após boa troca de passes, Lelê recebeu na área, mas pegou mal na bola e mandou longe da meta do Rubro-negro baiano. O lateral Diego Renan era o mais perigoso do Vitória. Em uma de suas jogadas, ele tocou para Vander – livre de marcação – bater em cima de Tiago Cardoso. Grafite desperdiçou duas boas chances de abrir o placar. Na primeira, o atacante recebeu de Lelê, driblou o goleiro Fernando Miguel, mas bateu fraco na bola e Ramon tirou em cima da linha. Na segunda, ele bateu em cima do arqueiro baiano.
A blitz exercida pela Cobra Coral deu resultado aos 38 minutos. Após cobrança de escanteio, Allan Vieira cabeceou para o fundo das redes. O Arruda explodiu em alegria. O gol animou o time. Após confusão na área, Luisinho bateu na trave e desperdiçou a oportunidade de ampliar o marcador antes do intervalo.
As chances perdidas na primeira etapa não fizeram falta. Logo no início do segundo tempo, Daniel Costa cobrou escanteio com veneno, a bola desviou na zaga do Vitória e matou o goleiro Fernando Miguel. Os minutos que sucederam o segundo tento tricolor, foram de festa para a torcida. Dentro de campo, contudo, o ritmo caiu consideravelmente, nada que tirasse a alegria e a empolgação do público presente. Aos 37, Vander tratou de inflamar o jogo. Ele recebeu, driblou e acertou um belo chute, sem nenhuma chance de defesa para Tiago Cardoso. Dois minutos depois, porém, Raniel escapou pela esquerda, invadiu a área e foi derrubado. Bruno Moraes, o general do Arruda, cobrou com perfeição e fechou o placar.

FICHA DO JOGO

SANTA CRUZ: Tiago Cardoso; Vitor, Alemão, Danny Morais e Allan Vieira; Wellington Cézar, Daniel Costa (Renatinho), João Paulo, Lelê (Raniel) e Luisinho; Grafite (Bruno Moraes). Técnico: Marcelo Martelotte.

VITÓRIA-BA: Fernando Miguel; Diogo Mateus, Ramon, Guilherme Mattis e Diego Renan; Amaral, Marcelo, Flávio (Gabriel), Yan (Rafaelson) e Nickson; Vander. Técnico: Vágner Mancini.

Local: Arruda (Recife-PE). Árbitro: José Cláudio Rocha Filho (SP). Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse (SP) e Ubiratan Bruno Viana (SP). Cartões amarelos: Amaral (Vitória); Bruno Moraes (Santa Cruz). Gols: Allan Vieira (38’ 1ºT) Daniel Costa (5’ 2ºT) Bruno Moraes (39’2ºT); Vander (37’2ºT). Público: 36.622. Renda: R$ 983.770,00.

Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 28/11/2015

sábado, 28 de novembro de 2015

A força do nosso ataque


A FORÇA DO NOSSO ATAQUE

Yuri de Lira

Não bastasse o retorno à elite, o Santa Cruz pode fechar o ano também como um dos ataques mais positivos em todas as séries do Brasileiro. Apenas o campeão da Primeira Divisão (o Corinthians) e o atual vice (o Atlético-MG) balançaram mais as redes do que o Tricolor. Às 16h30 de hoje, no Arruda, o time se despede da Segundona enfrentando o Vitória. Para fechar a temporada com chave de ouro e terminar na vice-liderança, a torcida conta com os muitos gols que se acostumou nesta reta final do campeonato.
O ataque coral já desfrutava de números regulares, mas a sua média gols nos últimos cinco jogos - em que o time manteve um aproveitamento de 100% e se alçou a elite - acabou dobrando. Agora, está a apenas dois gols de ser o segundo time a mais vazar os adversários nos campeonatos brasileiros de 2015. Para tanto, precisaria ultrapassar o Galo, que tem um a mais, porém, mais duas rodadas a disputar.
Adversário tricolor, o Vitória vem de Salvador para brigar pela vice-liderança (e pelo consequente aumento de chances de participação na próxima Copa Sul-Americana) com um ataque também bastante produtivo. No entanto, o setor vai ser quase todo poupado numa partida que acabou ganhando mais contornos de celebração para ambas as equipes.

DEMOCRÁTICO E SOLIDÁRIO

Duas peças titulares do sistema ofensivo, Lelê e Grafite retornam de suspensão no Santa Cruz. Mesmo se não pudessem voltar, os reservas certamente dariam conta do trabalho. Foi assim durante toda a competição. O ataque efetivo tricolor tem sido “democrático”. Dezenove jogadores diferentes já fizerem gols. É também solidário. Com dez assistências, Luisinho é o atleta que mais serviu os colegas na Segundona - atrás só de Marcelo Toscano, do América-MG, com uma a mais. De quebra, o Santa é o quarto time que mais finalizou certo em todas as séries. Segundo dados do site Footstats, 193 - atrás apenas de Corinthians (201), Palmeiras (200) e Atlético-MG (199).

TIME

O Santa Cruz joga completo em seu último jogo na Série B. É certa a presença do meia-atacante Luisinho, que havia ficado de fora de dois treinos da semana por desgaste muscular depois da partida contra o Mogi Mirim, em Itu. Ontem, o jogador voltou normalmente aos trabalhos, foi confirmado pelo técnico Marcelo Martelotte e Raniel, portanto, continua na reserva do time.

OS MELHORES ATAQUES DOS CAMPEONATOS BRASILEIROS DE 2015

1º Corinthians, 70 gols, 1,9 de média; 2º Atlético-MG, 61 gols, 1,7 de média; 3º SANTA CRUZ, 60 gols, 1,6 de média; 3º Botafogo, 60 gols, 1,6 de média; 4º Palmeiras, 58 gols, 1,6 de média; 5º Vitória, 57 gols, 1,54 de média.

Fonte: Diario de PE, Recife, 27/11/2015

Muitos motivos para vencer


MUITOS MOTIVOS PARA VENCER

William Tavares

Nada de jogo amistoso ou partida para cumprir tabela. Embora Santa Cruz e Vitória já tenham garantido matematicamente o acesso à Série A do Campeonato Brasileiro na rodada passada, o confronto de hoje, no Arruda, pode assegurar outros objetivos nesta e na próxima temporada. Além de conquistar o vice-campeonato da Série B, o vencedor do duelo pode herdar, por conta de uma série de fatores e combinações, uma vaga na Copa Sul-Americana do próximo ano. Depois de festejar o acesso, é hora de “bater o ponto” no último compromisso de 2015.
Para conquistar uma vaga no torneio continental, primeiro o Tricolor precisa vencer os baianos, assumindo a segunda colocação da Série B. Os pernambucanos estão atualmente na terceira posição, com 64 pontos. O Leão é o segundo, com 66. Desde que o novo sistema de classificação para a Sul-Americana foi estabelecido, todos os times que terminaram na vice-liderança da Segundona garantiram uma vaga na Copa.
Um exemplo disso foi a Ponte Preta, vice-campeã da Segundona ano passado. A Macaca acabou herdando uma das vagas da Sul-Americana. Isto aconteceu porque a equipe paulista não se classificou para as oitavas de final da Copa do Brasil e os times previamente qualificados para a competição continental avançaram no torneio nacional, abrindo mão obrigatoriamente das vagas do certame organizado pela Conmebol. Assim como aconteceu com o Sport nos últimos dois anos e com o Náutico, em 2013.
O Santa Cruz entrará com força máxima para o confronto. O meia Lelê e o centroavante Grafite, que cumpriram suspensão automática na rodada passada, voltam ao time titular. O atacante Luisinho, que ficou fora dos primeiros treinos da semana por conta de um cansaço muscular, trabalhou normalmente ontem com o restante do elenco e completará o setor ofensivo. “Contamos com a participação de todos, tirando o Aquino, e a tendência é que seja o mesmo time considerado titular”, afirmou o técnico Marcelo Martelotte.

JOÃO PAULO

Durante a semana, o meia João Paulo teve seu nome ligado a uma possível transferência para o Botafogo. Mas de acordo com o empresário do atleta, Cristian Mânica, a prioridade continua sendo a renovação com o Santa Cruz. “Ele já está bem ambientado no clube e a prioridade é aqui. Falta apenas acertar alguns detalhes”, declarou o empresário. João Paulo tem contrato com o Internacional e veio ao Tricolor por empréstimo no início do ano.

UNIFORME


Os jogadores do Santa Cruz estarão de uniforme novo contra o Vitória. A equipe entrará em campo com uma camisa em referência à última participação do clube na Série A, em 2005. O padrão é predominante preto. As mangas são vermelhas, com detalhes brancos. A camisa estará à venda na segunda, ao preço de R$ 169,90. Ontem, os atletas posaram com o uniforme novo para a foto oficial do acesso.

Fonte:Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 28/11/2015

terça-feira, 24 de novembro de 2015

É Série A!


É SÉRIE A!
Charge de Miguel
Jornal do Commercio, Recife, 24/11/2015

Torcida faz a festa na sede coral





Fotografias de Flávio Japa

TORCIDA FAZ A FESTA NA SEDE CORAL

Os tricolores que não puderam acompanhar o jogo em Itu fizeram a festa aqui mesmo, no Recife. E não há “casa” melhor para eles do que o estádio do Arruda. Milhares se aglomeraram na sede do clube e vibraram após a vitória do Santa Cruz por 3×0, diante do Mogi Mirim, no Novelli Júnior, resultado que garantiu o acesso coral à Série A do Campeonato Brasileiro.

Fonte: Folha de PE, Blog de Primeira, Recife, 21/11/2015

Martelotte destaca a conquista


MARTELOTTE DESTACA A CONQUISTA

William Tavares


Campeão Pernambucano como goleiro em 1993. Integrante do elenco que conquistou o acesso à Série A em 1999, também como atleta, e um título Estadual em 2013, já como treinador. Todos pelo Santa Cruz. Foi com esse currículo que o técnico Marcelo Martelotte desembarcou no Tricolor, em 2015. A meta desta temporada era audaciosa: conseguir o acesso à Série A. Após várias rodadas, entre tropeços e vitórias, o treinador recolocou o clube pernambucano na elite do futebol nacional. Um feito que foi maximizado por Martelotte.
“É uma conquista enorme, a maior minha pelo Santa Cruz e a maior da minha carreira”, afirmou o técnico. “Fomos acreditando, lançando novos desafios e o grupo respondendo de maneira positiva. Vimos que estávamos buscando os objetivos. Hoje foi a concretização de um trabalho que evoluiu durante o campeonato. O grupo esta de parabéns.”
Apesar do placar elástico, Martelotte revelou que, novamente, o time sentiu ansiedade no começo da partida contra o Mogi Mirim, vencida por 3×0. “Hoje não foi um futebol brilhante. O fato de ter a responsabilidade do resultado, o gol não saindo, o adversário colocando dificuldades…o emocional pesou. Depois voltamos melhor, pressionando e aí conseguimos o gol. O importante era o resultado e ele veio pela competência dos jogadores”, citou.
Mesmo sem querer destacar apenas um ponto diante de vários momentos cruciais do Santa na Segundona, Martelotte lembrou a sequência de cinco vitórias consecutivas nos últimos jogos, principalmente fora de casa. “O campeonato é longo e tinha a história de não vencer fora de casa…mas agora fomos decisivos justamente nesses confrontos. Estamos entre as cinco melhores equipes visitantes”, frisou.

Fonte: Folha de PE, Blog de Primeira, Recife, 21/11/2015

"Não vamos subir para cair!"


"NÃO VAMOS SUBIR PARA CAIR!"

O Santa Cruz fez sua parte, derrotou o Mogi Mirim por 3×0 e garantiu matematicamente o acesso à Série A. Olhando apenas o resultado, o jogo poderia até parecer um confronto dos mais simples para o Tricolor. Bem longe disso. Depois de um primeiro tempo apático, os pernambucanos precisaram levar uma “dura” do técnico Marcelo Martelotte para voltar na etapa final e liquidar o confronto com gols de Daniel Costa, Bruno Moraes e Bileu. Ao final do jogo, ainda no gramado do Novelli Júnior, em Itu, os tricolores comemoravam o acesso. E o presidente coral não minimizou no otimismo para o futuro do clube no próximo ano.
“Quero dizer que em 2016 vamos buscar mais títulos e sócios. Não vamos subir para cair não. Anotem o que estou dizendo”, afirmou o mandatário do clube, Alírio Moraes. “(Tiramos) o peso de nove anos. Não começamos bem a Série B, tropeçando, mas nunca perdemos a vontade de fazer as coisas, o senso de responsabilidade e liderança”, completou.
Os jogadores ainda estavam extasiados após o jogo. “Esse grupo foi formado a dedo e todos que estão aqui mereceram o acesso. Quando cheguei o time estava na zona e só a gente acreditava. Hoje podemos dizer que estamos na 1ª divisão”, afirmou Luisinho.


Fonte: Folha de PE, Blog de Primeira, Recife, 21/11/2015

Mogi Mirim 0 x 3 Santa Cruz


MOGI MIRIM 0 x 3 SANTA CRUZ

William Tavares

Antes, choro de tristeza. Agora, lágrimas de felicidade. Os semblantes de angústia e desespero foram trocados por sorrisos e gritos de liberdade após a “prisão” que segurou o Santa Cruz no calabouço do futebol brasileiro. Depois de retroceder, avançar. Da D para C, da C para B e da B para A. A dor de um passado fustigado por quedas se transformou em um presente marcado pela ressurreição de um dos maiores clubes do Nordeste. Antes mesmo do apito final na vitória por 3×0 diante do Mogi, no Novelli Júnior, já era possível ouvir fogos e comemorações por todo o estado. Agora, não há mais o que esperar. Após nove anos, o Santa Cruz está de volta à Série A do Campeonato Brasileiro.
Um pedaço do Recife estava em Itu. Com um bom número de tricolores no estádio, o Santa Cruz estava em casa apesar dos 2.683 quilômetros que separam a capital pernambucana da cidade paulista. Em campo, o Mogi Mirim corria como se ainda estivesse com alguma pretensão no campeonato – o Sapão já está matematicamente rebaixado à Série C. Era o Alvirrubro quem ditava o ritmo da partida nos primeiros minutos.
A ansiedade, novamente, foi um dos problemas do Santa Cruz. Embora com um elenco mais experiente que o do Mogi, o Santa sentiu o peso da partida. E sobravam gritos do técnico Marcelo Martelotte na beira do gramado. Mal sabiam os jogadores que os outros resultados também não ajudavam. Na Arena Pernambuco, o Náutico vencia o Bahia por 1×0, mesma vantagem que o Bragantino tinha no duelo contra o Paraná, no Durival Britto. Aos 44, os tricolores ainda reclamaram de uma bola na mão na área paulista, mas o árbitro nada marcou. O primeiro tempo terminou no 0×0.
Saiu um Santa apático, voltou um Santa enérgico. Empolgados pelos tricolores do Novelli Júnior, o time cresceu. E aos oito minutos, veio o resultado. Alemão é segurado na área e o árbitro marca a penalidade. Com tranquilidade, Daniel bateu com precisão e fez explodir a torcida coral em Itu.
Não demorou muito para o Santa ampliar. Renatinho arriscou de longe. O goleiro Daniel deu rebote e Bruno Moraes fuzilou as redes. Dali por diante, os tricolores passaram a fazer uma contagem regressiva. Para o fim do jogo. Para o início da festa. Aos 32 minutos, o gol para matar o confronto: novamente o goleiro do Mogi não conseguiu encaixar um chute, desta vez de Raniel, e Bileu aproveitou para fazer o terceiro tento da partida e cravar de vez o nome do Santa na elite do futebol nacional do ano que vem.
Com o resultado, o Tricolor pulou para a terceira posição, com 64 pontos. Na próxima rodada a equipe encara o Vitória, sábado, no Arruda, podendo terminar a competição até na vice-liderança.

FICHA DO JOGO

MOGI MIRIM: Daniel; Michel Tiago, Pablo, Renato Camilo e Dieguinho; Franco, Anderson, Jonathan e Dunguinha (Gustavo); Jô (Daniel) e Keké. Técnico: Toninho Cecílio.

SANTA CRUZ: Tiago Cardoso; Vítor, Danny Morais, Alemão e Allan Vieira; Wellington Cézar, Daniel Costa (Vinicius Reche), João Paulo, Renatinho (Bileu) e Luisinho; Bruno Moraes (Raniel). Técnico: Marcelo Martelotte.

Local: Novelli Júnior (Itu/SP). Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO). Assistentes: Jesmar Benedito Miranda de Paula (GO) e Leone Carvalho Rocha (GO). Gols: Daniel Costa (aos 10 do 2ºT), Bruno Moraes (aos 13 do 2ºT) e Bileu (aos 32 do 2ºT). Cartões amarelos: Alemão (S); Anderson, Renato (M). Renda: R$ 81.080,00. Público: 1.400 torcedores.

Fonte: Folha de PE, Blog de Primeira, Recife, 21/11/2015

sábado, 21 de novembro de 2015

O exemplo de Arthur


O EXEMPLO DE ARTHUR

Yuri de Lira

Itu - Em 27 de novembro de 2007, nascia o Arthur, um pequeno tricolor. Nunca viu o Santa Cruz na Primeira Divisão. Foi no ano que ele nasceu, aliás, que a Cobra Coral iniciou a sua trajetória no submundo do futebol brasileiro. Arthur veio ao mundo a 2.683 quilômetros do Recife, em Itu. Ainda assim, mesmo longe de Pernambuco e sem nunca sequer ter ido a um jogo do time, nutre um amor incondicional pelo clube. Por capricho do destino, a sua cidade natal será palco do jogo decisivo contra Mogi Mirim, às 16h30 deste sábado. O menino, claro, estará no Novelli Júnior à espera do acesso. Quer voltar para casa com a certeza que os seus próximos anos como torcedor serão melhores que os seus primeiros. Na elite.
Arthur despertou interesse pelo Santa Cruz graças ao avô, Delmiro Pereira. Nascido em Nazaré da Mata, criado em Carpina e há 32 anos na cidade do interior paulista - onde trabalha em uma serralharia - perdeu muito do sotaque "pernambuquês". Mas nunca a paixão pelo clube que torce desde a infância. Apesar do genro e pai do seu neto ser palmeirense, exige a manutenção da tradição coral na família. “O Santa é a nossa raiz. Temos que passar de geração em geração para nunca morrer, independente se o time esteja bem ou mal.”
Ontem, nos últimos preparativos do Santa Cruz antes da partida com o Mogi, Delmiro fez questão de levar Arthur ao Novelli Júnior para ver os comandados do técnico Marcelo Martelotte treinarem. Foi apenas um aperitivo para o jogo. Embora tímido, o menino não escondia a satisfação de estar ali. Devidamente trajado com a sua camisa em três cores, prestava atenção em cada minúcia do treino com olhares analíticos, como se fora um entendedor nato do assunto.
Na verdade, ele queria mesmo era apreciar o seu time de coração, ainda que em um simples treino recreativo. Não perdia um lance. A entrevista que concedia à reportagem parecia até atrapalhá-lo como espectador. “Eu só via o Santa na televisão antes.” Logo depois, completou. “Algum dia da minha vida, eu sonho em jogar no Santa”, falou - como se cada jogador que ali treinava fosse um espelho, uma referência, um herói. Hoje, nenhum deles pode decepcioná-lo. Artur fala que, em sua "estreia"como torcedor de campo, vai fazer a sua parte. “Eu vou levar sorte.”

Fonte: Diario de PE, Recife, 20/11/2015

Mala nenhuma compra acesso


MALA NENHUMA COMPRA ACESSO

William Tavares

Na quarta posição da Série B do Campeonato Brasileiro, com 61 pontos, o Santa Cruz deixou de ser “pedra” para ser “vidraça”. Antes almejando entrar no G4 da competição, o objetivo do Tricolor passou a ser o da manutenção. Com quatro pontos de diferença para o quinto colocado da competição, o Bragantino, o Tricolor depende apenas dele para conseguir o acesso à Série A. Na próxima rodada, o time vai encarar o lanterna e já rebaixado Mogi Mirim, em Itu. Seria de se esperar que a motivação dos paulistas estivesse tão baixa quanto a sua posição na tabela, mas a possibilidade de receber um “incentivo” dos concorrentes diretos do Santa pelo acesso pode dar um gás ao Sapão e complicar a vida do Tricolor.
O que foi dito acima é uma forma menos direta de falar da velha “mala branca”, um estímulo financeiro que algumas equipes que não tem mais aspirações em determinado campeonato recebem para vencer os seus jogos. O assunto ainda é uma espécie de tabu no futebol, mas os jogadores corais admitem que tal “incentivo” pode pintar na partida contra o Mogi.
“Sabemos que vai ter a famosa ‘mala’ para eles (Mogi) no jogo, mas não podemos deixar a motivação deles ser maior que a nossa. Não tem dinheiro que compre o acesso à Série A. Eles vão querer jogar no nosso erro e temos que aproveitar as oportunidades. Subir com um clube como o Santa, de massa e camisa, é importante. Estamos cientes disso e queremos colocar esse ‘título’ no nosso currículo”, sentenciou o meia Daniel Costa.
Ainda antes da partida contra o Oeste, na 35ª rodada da competição, o técnico Marcelo Martelotte já havia comentado sobre a possibilidade dos adversários corais entrarem em campo com um incentivo bem maior do que os três pontos na classificação. “Nosso objetivo é o acesso e podem dar o que for aos adversários, mas a vontade deles não será maior do que a nossa”, disse o técnico, corroborando com a tese de seus comandados.
Pegando o retrospecto apenas contra os times que estão na zona de rebaixamento, o Santa Cruz tem um desempenho mediano, com aproveitamento de 57%. A equipe venceu três vezes, empatou outras três e perdeu apenas uma. A única equipe do Z4 que o Tricolor não conseguiu derrotar nesta Segunda Divisão foi o ABC. Os pernambucanos perderam por 1×0 no Arruda e ficaram no 1×1 na Arena das Dunas.

SAIBA MAIS

1º turno – Relembrar é viver. No primeiro turno da Série B do Campeonato Brasileiro, o Santa Cruz derrotou o Mogi Mirim de virada por 2×1, no Arruda. Grafite e Anderson Aquino marcaram para o Tricolor, enquanto Geovane balançou as redes para o Sapão.


Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 20/11/2015

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Dia Nacional da Consciência Negra


ESTAMOS ONDE SEMPRE ESTIVEMOS: ENFRENTADO O RACISMO, UNINDO PAIXÕES E RAÇAS

O Santa Cruz é o clube mais negro do Nordeste. Não apenas porque Teóphilo de Carvalho, que era conhecido pelos seus colegas pelo apelido de Lacraia, foi o primeiro homem negro a jogar futebol profissionalmente na região.
Sua importância para ‘O Mais Querido’, vai além disso. Ele era o símbolo da integração entre as pessoas mais pobres da cidade, que sempre encontraram no Santa Cruz sua própria identidade.
O Santa Cruz foi criado para ser um time de todos, o clube da inclusão, onde negros, os mais pobres entre os brancos e todos aqueles que se identificam com os excluídos têm seu lugar.
Um século depois, o Santa Cruz está onde sempre esteve: enfrentando o racismo, unindo paixões e raças.

Fonte: Santa Cruz Futebol Clube

A hora da afirmação


A HORA DA AFIRMAÇÃO

Yuri de Lira

Marcelo Martelotte é arrojado ao afirmar que o time do Santa Cruz está pronto para o duelo decisivo com o Mogi Mirim, no próximo sábado, em Itu. O técnico coral diz que agora não é mais tanto o momento de treinos táticos para possíveis ajustes. Neste fim da Série B e com o time na iminência do acesso à Série A, prefere focar no controle da ansiedade dos seus jogadores.
“Há algumas semanas, o que tenho passado para o grupo é que pouca coisa em termos táticos, técnicos e até físicos que temos a fazer nesta reta final de competição. O nosso time já tem uma postura, um padrão de jogo, uma maneira de se comportar e isso não vai mudar. Os jogadores já se conhecem e sabem o que tem que ser feito. Então, a preparação é mais voltada para não mudar rotina e controlar essa ansiedade um pouco maior”, afirmou.
Portanto, comentou sobre a antecipação da viagem a Itu para esta quinta-feira, ao invés da véspera do jogo, como foi de praxe no clube na Segundona. Disse que sair da empolgação vivida pela torcida no Recife será benéfico para o psicológico dos seus comandados. “Você não tem controle da reação do torcedor. Como a gente não pode se envolver nessa comemoração antecipada, se achou melhor ir um pouco mais cedo, mais alheio à essa situação festiva que a cidade vive.”
Em suas próprias palavras, o técnico também faz questão de tirar qualquer peso dos jogadores para a partida frente ao Mogi. “Se somos um equipe que pode garantir o acesso no fim de semana, é porque fizemos por merecer. É assim que devemos nos sentir, e não pressionados pelo resultado”, pontuou.

Fonte: Diario de PE, Recife, 19/11/2015

O reencontro de Alemão


O REENCONTRO DE ALEMÃO

Desconhecido de boa parte dos jogadores do Santa Cruz, o estádio Novelli Júnior, palco da partida do Tricolor com o Mogi Mirim, sábado (21), pela penúltima rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, traz boas recordações ao zagueiro Alemão. Foi lá a casa do zagueiro durante o tempo em que o defensor atuou pelo Ituano, no início do ano passado.
“Tive uma temporada feliz aqui no Campeonato Paulista. Fiz gols, consegui o título e deixei vários amigos. Estou voltando muito feliz e quem sabe Deus não dá essa oportunidade de conseguir o acesso e colocar mais um marco na minha carreira”, apontou.
Atento para a decisão, Alemão ressaltou que a possibilidade do Mogi Mirim receber a “mala branca”, incentivo financeiro dos concorrentes direto pelo G4 para fazer com o que os paulistas entrem mais motivados no confronto, não preocupa o time coral.
“É uma decisão. Não adianta nada tropeçar nessas duas partidas porque assim jogaríamos o ano todo fora. Será uma partida difícil, terá várias coisas extracampo ai (mala branca), mas o nosso objetivo do acesso deve ser maior do que qualquer coisa que venha para beneficiar o Mogi Mirim”, completou.


Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, 19/11/2015

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

A chance de Renatinho


A CHANCE DE RENATINHO

Yuri de Lira

Os 11 jogadores do Santa Cruz que entram em campo para a decisão contra o Mogi Mirim, no próximo sábado, estão definidos. Nesta quarta-feira, após o último treino no Arruda antes da viagem para Itu, técnico Marcelo Martelotte não escondeu a sua escalação para a partida que pode valer o acesso ao Tricolor. Conforme se esperava, o suspenso Grafite dará mesmo lugar novamente a Bruno Moraes. A vaga de Lelê, também de fora por ter recebido o terceiro cartão amarelo, vai ser preenchida por Renatinho.
Renatinho chegou a ser acionado no segundo tempo do duelo com o Botafogo, no Rio de Janeiro, na rodada passada. Mas, antes disso, a última vez que havia atuado foi ainda na derrota por 3 a 1 para o Náutico, no Arruda, em 17 de outubro. Por sinal, o seu derradeiro jogo como titular. Respaldado por Martelotte, atuará pela ponta esquerda da equipe desta vez. O treinador explicou que, tanto a entrada dele, como a de Bruno Moraes, são por questões de merecimento, uma vez que ambos eram peças que vinham atuando com certa frequência nesta Série B do Brasileiro. "Eles participaram da maioria do campeonato e são os substitutos naturais neste momento", adiantou o comandante.
Dessa forma, a equipe do Santa Cruz será formada da seguinte maneira para enfrentar o Mogi Morim: Tiago Cardoso; Vitor, Alemão, Danny Morais e Allan Vieira; Wellington Cézar, João Paulo, Daniel Costa, Renatinho e Luisinho; Bruno Moraes.


Fonte: Diario de PE, Recife, 18/11/2015

Ansiedade não atrapalhará


ANSIEDADE NÃO ATRAPALHARÁ

Ansiedade. É esse o sentimento dos jogadores do Santa Cruz nas vésperas da partida contra o Mogi Mirim, sábado (21), no Novelli Júnior, pela penúltima rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. De acordo com o meia Daniel Costa, o time precisará conter os nervos para não tropeçar em Itu.
“Se eu falar que não estamos ansiosos, estarei mentindo. Mas estamos concentrados e depois que a bola rola isso passa. Nosso grupo é experiente e saberá lidar com essa situação. A ansiedade não vai nos atrapalhar para fazer um bom jogo e vencer”, afirmou o meia.
O jogador também elogiou o planejamento coral de antecipar a viagem para São Paulo já para esta quarta (18). “No treino passado, tinha mais gente que o normal, soltando rojão. Entendemos a euforia da torcida porque há muito tempo o time não brigava pelo acesso, mas a saída para Itu será boa para se ambientar com o gramado e o estádio”, apontou.
Lanterna e já rebaixado para a Série C, o Mogi Mirim não é dos adversários que impõe mais medo ao Santa, mas o meia não espera facilidades no confronto. Principalmente por conta da possibilidade dos paulistas receberem a famosa “mala branca”, um incentivo financeiro dos rivais corais na luta pelo acesso.
“Sabemos que vai ter a famosa ‘mala’ e não podemos deixar a motivação deles ser maior que a nossa. Não tem dinheiro que compre o acesso. Eles vão querer jogar no nosso erro e temos que aproveitar as oportunidades. Um acesso com um clube como o Santa, de massa e camisa, é importante. Estamos cientes disso e queremos colocar esse ‘título’ no nosso currículo”, sentenciou.


Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 18/11/2015

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Galeria de imagens






GALERIA DE IMAGENS
Recife, novembro 2015

A segurança de Tiago Cardoso


A SEGURANÇA DE TIAGO CARDOSO

Yuri de Lira

A reapresentação coral na tarde desta terça-feira foi diferente do comum. Houve mais gente nas arquibancadas do Arruda, mais repórteres e jornalistas e até rojões soltados do lado de fora do Arruda. No Santa Cruz desde 2011 - quando o Santa Cruz se afundava na Série D do Brasileiro - Tiago Cardoso entende a expectativa da torcida, não esconde a ansiedade de devolver o clube à Primeira Divisão, mas prefere deixar todo o clima de oba-oba reservado apenas aos torcedores.
“A gente sabe que isso (empolgação) é bom, é importante. As pessoas estão alegres com o momento, mas a gente, jogador, procura não se envolver muito. O grupo é bem maduro e o professor (Marcelo Martelotte) sempre está nos orientando”, disse o camisa 1 do Santa.
Segundo o goleiro, agora é, mais do que nunca, a hora de todos os atletas se manterem blindados. “Eu respeito (a animação da torcida), mas sou mais pés no chão. A gente tem que trabalhar forte esta semana. Futebol é decidido dentro das quatro linhas. O jogador não tem muito que comemorar.”
Tiago Cardoso, no entanto, não esconde que está na expectativa pelo acesso. Evangélico, busca nas orações, portanto, o foco necessário para a partida diante do Mogi Mirim, no próximo sábado, em Itu. “Controlo a ansiedade orando, pensando na palavra de Deus. Se você não procurar controlar, vai ficar pensando. A gente não tem poder de rodar tempo mais rápido. Neste momento, o importante é se preparar.”

Fonte: Diario de PE, Recife, 17/11/2015

A permanência de Bruno Moraes


A PERMANÊNCIA DE BRUNO MORAES

Ainda faltam quatro dias para o jogo contra o Mogi Mirim, pela penúltima rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, mas a torcida do Santa Cruz já está em ritmo de festa. Nesta terça (17), dezenas de torcedores marcaram presença no Arruda para o primeiro treino coral na semana. Fogos, gritos e muito incentivo para o clube na reta decisiva da competição.
A animação estava nas arquibancadas e, se depender dos jogadores, continuará por lá. Rechaçando qualquer clima de “oba-oba”, o atacante Bruno Moraes pensa apenas no presente. “Temos que reverter isso (festa da torcida) em forma de motivação. Não conseguimos nada ainda, mas estamos bem próximos do acesso. Esse jogo será o mais importante da vida de muitos, como da minha. É a nossa final no campeonato”, afirmou.
Com sete gols pelo Tricolor, Bruno Moraes ganhou destaque na fase decisiva da Segundona, apesar de ser reserva. Com um acesso, já há quem pense sobre as possibilidades do clube segurar o jogador para o próximo ano. Bruno prefere a cautela.
“Estou vivendo o momento. Um pé de cada vez. Não sei o dia de amanhã e espero as coisas acontecerem. Minha maior motivação é entrar para a história de um clube gigante como o Santa”, pontuou.

Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 17/11/2015

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Renda recorde


RENDA RECORDE

Yuri de Lira

Mesmo ainda com o Mogi Mirim, em Itu, pela frente, os ingressos para a partida seguinte do Santa Cruz, diante do Vitória, em 28 de novembro, já vão começar a ser vendidos nesta terça-feira. Como o jogo diante dos baianos - válido pela última rodada da Série B - pode definir o acesso ou ser meramente festivo, os valores dos bilhetes acabaram sofrendo um reajuste e estão mais caros que o habitual. E sofrerão um novo aumento a partir do próximo sábado. Em compensação, o Tricolor pode angariar a maior renda da história de Pernambuco em confrontos entre clubes.
Antes a R$ 30, arquibancada inferior do Arruda custa agora R$ 50. Sócios e meia-entrada valem o dobro: de R$ 15, saem agora por R$ 30. O setor atrás das barras, que custava apenas R$ 10, não vai existir. Para o jogo contra o Vitória, o anel superior, porém, será aberto e vai custar R$ também R$ 30.
Ao realizar um cálculo simples, supondo apenas que todos os torcedores comprem só os ingressos mais baratos, de R$ 30, o clube coral teria uma uma renda recorde no estado de R$ 1,5 milhão, visto que a capacidade total do estádio do Arruda, conforme exigência do Ministério Público em outubro deste ano, é de 50.582 torcedores.
Atualmente, o Santa Cruz já é o primeiro em arrecadação em Pernambuco, quando angariou mais de R$ 1,3 milhão nas quartas de final da Série C de 2013, em vitória por 2 a 1 sobre o Betim, que
garantiu o acesso coral à Segundona.

INGRESSOS PROMOCIONAIS PARA SANTA CRUZ x VITÓRIA


R$ 50 - Arquibancada inferior
R$ 30 - Sociais, estudantes e arquibancada superior


Fonte: Diario de PE, Recife, 16/11/2015

Os desfalques


OS DESFALQUES

Restando apenas duas rodadas para o final da Série B do Campeonato Brasileiro, o Santa Cruz está muito próximo de garantir o acesso à Primeira Divisão de 2016. Para a partida diante do Mogi Mirim, porém, o técnico Marcelo Martelotte possui dois desfalques na equipe titular. Lelê e Grafite receberam o terceiro cartão amarelo e estão suspensos.
Para vaga de Lelê, o comandante coral possui opções. Vinicius Reche – que entrou no lugar de Daniel Costa contra o Botafogo – e Raniel são os candidatos. Se quiser um time com uma postura mais ofensiva, Martelotte pode escalar o atacante Anderson Aquino.
Não há dúvidas sobre quem substituirá Grafite. Com sete gols na Série B – mesmo sendo reserva -, Bruno Moraes, autor do terceiro gol na vitória contra o alvinegro carioca, ganhará a condição de titular.


Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 16/11/2015

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

A chegada






A CHEGADA

O Santa Cruz desembarcou no Recife em clima de festa. No início desta tarde, uma multidão trajada em vermelho, preto e branco invadiu o Aeroporto Internacional dos Guararapes para recepcionar à equipe no dia seguinte à vitória por 3×0 sobre o Botafogo, no Rio de Janeiro. Ainda que o Tricolor não esteja matematicamente garantido na Série A, a massa coral não deu bola para as estatísticas e fez uma comemoração à altura do feito do clube. De acordo com dados da Polícia Militar, mais de mil torcedores estiveram presentes e nenhum tumulto ou queixa foram registrados.
Acima, como foi a chegada do Santa Cruz (fotografias de Peu Ricardo).


Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 15/11/2015

domingo, 15 de novembro de 2015

Foi água no chope...











FOI ÁGUA NO CHOPE...
Botafogo-RJ 0 x 3 Santa Cruz
Rio de Janeiro, 14/11/2015

Botafogo-RJ 0 x 3 Santa Cruz


BOTAFOGO-RJ 0 x 3 SANTA CRUZ

Natália Santos

Uma vitória para empolgar, encher o time de moral, a torcida de esperanças e diminuir exponencialmente o número de incrédulos que ainda duvidam da capacidade do Santa Cruz. A matemática ainda não garante o acesso à Série A, mas nos últimos jogos a equipe coral tem dado prova de que isso está cada vez mais próximo de acontecer. Diante de um Botafogo já assegurado na Primeira Divisão do próximo ano, o Tricolor se impôs e garantiu três pontos importantes na luta para deixar a Série B. Mais do que comemorar uma vitória por 3×0, fora de casa e contra o líder da competição, os pernambucanos testemunharam talvez uma das partidas mais aplicadas do time. Caso vençam o Mogi Mirim, na próxima rodada, o Tricolor pode, enfim, cravar seu nome na lista de clubes que disputarão o Brasileirão 2016. No melhor linguajar do futebol, o Santa “está com cara de quem vai subir”.
Com os retornos de João Paulo e Vítor, que cumpriram suspensão automática na rodada passada, o técnico Marcelo Martelotte voltou a montar a equipe titular com apenas um volante de origem, no caso Wellington Cezar. Bileu perdeu a vaga no time principal para Daniel Costa. Com uma proposta mais ofensiva, o Tricolor não se limitou apenas a se defender. Logo nos primeiros minutos, o atacante Luisinho quase marcou um golaço, após um chapéu no zagueiro alvinegro.
A tática de Martelotte, porém, expôs novamente alguns problemas antigos, principalmente nos contra-ataques. Com espaço para atacar, foi o Botafogo quem mais chegou perto de balançar as redes. Aos 31, Willian Arão recebeu na linha de fundo e chutou cruzado. Tiago Cardoso desviou. A bola sobrou para Neilton, que tocou para Diego Jardel. O gol do meia só não aconteceu porque Danny Morais cortou a bola que tinha endereço certo no fundo das redes. Minutos depois, novamente em jogada pelas costas do lateral-esquerdo Allan Vieira, o Fogão chegou perigosamente. Dessa vez foi Tiago Cardoso quem garantiu o placar em branco na primeira etapa. No lado coral, quem ia se consagrando era Vítor, em chute do meio-campo que quase pegou Helton Leite desprevenido.
O Santa desarmou mais, finalizou mais, teve mais escanteios e errou menos passes. Nas estatísticas, o Tricolor já estava superior ao Botafogo. Faltava apenas o gol. Logo na volta do intervalo, aos cinco minutos, o Santa Cruz conseguiu o que vinha batendo na trave desde o início do jogo: uma conclusão certeira. Luisinho recebeu na direita e cruzou rasteiro, deixando a bola nos pés do atacante Grafite. O camisa 23 deu um toque para trás e deixou Lelê na cara do gol para marcar o primeiro tento tricolor na partida. Estava aberto o placar no Engenhão.
A Cobra Coral cresceu ainda mais no jogo e foi para cima do alvinegro carioca, que seguiu errando passes na saída de jogo. Em um contragolpe. bem arquitetado, os pernambucanos ampliaram. Daniel Costa lançou para Luisinho. Na cara do gol, o atacante não foi “fominha” e tocou de lado para Grafite fazer seu sétimo gol na Segundona.
A vantagem já estava de bom tamanho para os tricolores, mas ainda sobrou tempo para Bruno Moraes deixar o dele. Após um cruzamento de esquerda de Allan, Bruno Moraes se adiantou e mandou para o fundo da rede. A festa estava feita no Engenhão. Foi a hora da torcida do Santa Cruz gritar “olé” a cada toque de bola da equipe e comemorar a vitória conquistada no Rio de Janeiro. E para quem imaginou um título do Botafogo antecipado, o final do jogo teve até vaia para os mandantes. Com o resultado, o Tricolor se manteve na quarta posição, com 61 pontos, abrindo quatro de diferença para o quinto colocado, o Bragantino. Não há como o Santa deixar o G4 na próxima rodada. O Tricolor está a uma vitória de voltar à elite do futebol nacional.

FICHA DO JOGO

BOTAFOGO: Helton Leite; Luis Ricardo, Roger Carvalho, Giaretta e Carleto; Rodrigo Lindoso, Camacho (Fernandes), Willian Arão e Diego Jardel (Elvis); Neilton e Navarro (Ronaldo). Técnico: Ricardo Gomes.

SANTA CRUZ: Tiago Cardoso; Vitor, Alemão, Danny Morais e Allan Vieira; Wellington Cézar, Daniel Costa (Vinicius Reche) e João Paulo; Luisinho, Grafite (Bruno Moraes) e Lelê (Bileu). Técnico: Marcelo Martelotte.

Local: Engenhão (Rio de Janeiro-RJ). Árbitro: Héber Roberto Lopes (Fifa-SC). Assistentes: Kléber Lúcio Gil (Fifa-SC) e Carlos Berkenbrock (SC). Gols: Lelê, aos 4 minutos do 2º T; Grafite, aos 22 do 2ºT; e Bruno Moraes, aos 30 do 2º T. Cartões Amarelos: João Paulo, Lelê, Grafite e Daniel Costa (Santa); Carleto (Botafogo). Público: 23.035 pessoas.

Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 14/11/2015

sábado, 14 de novembro de 2015

De volta ao Engenhão


DE VOLTA AO ENGENHÃO

Yuri de Lira

Um dos jogadores do Santa Cruz já viu de perto o Tricolor surpreender o Botafogo fora de casa. Há cinco anos, Danny Morais era o titular da zaga alvinegra e se tornou vitima do time pernambucano. Foi eliminado da Copa do Brasil em pleno Engenhão, onde as duas equipes se reencontram às 16h30 deste sábado, pela Série B. A três rodadas do fim da Segundona, agora defendendo o outro lado, o zagueiro volta ao passado e o feito coral em 2010 lhe serve como exemplo para a partida, que pode pavimentar o caminho dos comandados do técnico Marcelo Martelotte rumo à Primeira Divisão.
Dois mil e dez foi um dos piores anos da história do Santa, à época afundado na Quarta Divisão. Aquele encontro com o Botafogo, porém, está ainda incutido na cabeça de cada torcedor. O 3 a 2 - com gol coral feito no último minuto pelo atacante Souza - acabou ganhando contornos épicos. Titular da zaga alvinegra na ocasião, Danny se recorda bem daquele duelo. Espera que os botafoguenses experimentem o dissabor que ele experimentou quando as equipes se enfrentaram pela última vez no Engenhão.
“Lembro bem daquele jogo. O Santa Cruz estava na Série D e, ainda assim, se mostrou um time competitivo. Foi uma vitória que só mostrou a grandeza do clube. Mesmo na pior divisão do futebol, conseguiu bater de frente contra o Botafogo, que estava em uma Série A”, declarou o zagueiro.
A partida deste sábado, claro, não será fácil para o Santa Cruz. Afinal, o Botafogo é líder, tem o acesso já garantido, é dono do melhor ataque e defesa da competição e pode até se sagrar campeão caso ganhe e o América-MG não derrote o Paraná, em Curitiba. Danny Morais compreende tudo isso. Mas, atualmente com os dois times em condições mais equiparadas em relação a 2010, julga que voltar com três pontos do Rio de Janeiro não é uma missão impossível. “Aquele jogo há cinco anos mostra só que nós temos condições de conseguir os nossos objetivos e encarar os desafios de igual para igual com eles.”

ADVERSÁRIO

O técnico Ricardo Gomes está na iminência de perder até três peças para o jogo por questões médicas. O lateral esquerdo Carleto, o meia Daniel Carvalho e o atacante Neilton podem ser vetados por dores na coxa, no pé e no púbis, respectivamente. Uma baixa certa é Renan Fonseca, que, inclusive, já defendeu o Santa Cruz. O zagueiro está suspenso e cede vaga a Emerson ou a Diego Giaretta

TIME

Sem escalação confirmada, a maior dúvida no Santa Cruz é no meio-campo. Daniel Costa e Bileu disputam uma vaga no setor. De fora do último jogo por causa de edema na panturrilha esquerda, Grafite está com o grupo no Rio de Janeiro, mas Martelotte não garantiu o camisa 23 no time titular. O técnico conta com os retornos do lateral direito Vitor e do meio-campista João Paulo.

HISTÓRICOS DE CONFRONTOS

28 Jogos/11 Vitórias do Santa Cruz/13 Vitórias do Botafogo/4 Empates/32 Gols do Santa Cruz/52 Gols do Botafogo.

Fonte: Diario de Pernambuco, Recife, 13/11/2015

Estragar a festa do Botafogo-RJ


ESTRAGAR A FESTA DO BOTAFOGO-RJ

Os jogadores do Santa Cruz sabem que o sábado será em clima de festa para o Botafogo. Reencontrando a torcida após garantir o acesso antecipado à Série A do Campeonato Brasileiro, os alvinegros querem mais uma vitória para quem sabe garantir por antecipação outro feito: o título da Série B do Campeonato Brasileiro. Para isso, será preciso vencer os pernambucanos e torcer pelo tropeço do América/MG contra o Paraná. Basta um empate entre mineiros e paranaenses e o Fogão levantará a taça.
O clima é de “oba-oba”, mas os jogadores do Santa Cruz estão ansiosos para acabar com a festa do líder da Segundona. “Queremos estragar isso. Eles estarão defendendo o título e a gente o G4. Alguém vai ter que chorar e espero que seja a mãe deles”, contou Luisinho. “Nosso foco é pensar no jogo e não na festa ou torcida. Sabemos que torcida ajuda, mas também estraga muita coisa. Uma vitória lá nos colocaria muito próximo da subida”, completou.
Vencer o Botafogo não será uma tarefa fácil para os tricolores. Principalmente por conta da força defensiva dos alvinegros. “Sabemos que eles estão bem, na liderança e tomaram poucos gols. Tem um goleiro de Seleção que ajuda a equipe deles. Mas temos de pegar como exemplo o jogo que vencemos aqui (no 1º turno) para chegar lá, ter tranquilidade finalizar na hora certa”, apontou o atacante.


Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 13/11/2015

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Grafite ainda é dúvida contra o Botafogo-RJ


GRAFITE AINDA É DÚVIDA CONTRA O BOTAFOGO-RJ

Yuri de Lira

Grafite havia retornado ao time do Santa Cruz no duelo com o Bahia, em Salvador. Mas voltou a sentir incômodos na panturrilha esquerda - que o tirou de atividade nas três rodadas anteriores ao jogo em Salvador - e acabou ficando de fora também do duelo com o Oeste, no Arruda. Para enfrentar o Botafogo no próximo sábado, no Rio de Janeiro, o atacante ainda é dúvida. 
O técnico do Santa Cruz, Marcelo Martelotte, falou que o veto do jogador diante do Oeste era mais que necessário. “Grafite se queixou de algumas dores na panturrilha após o jogo (do Bahia) e a gente decidiu fazer um exame, que não deu lesão, mas um pequeno edema. Nós e o departamento médico entramos em um consenso de que seria melhor ele ficar de fora porque, se ele tivesse lesão, poderia ficar de fora do resto do campeonato”, declarou.
Agora, o treinador só pode mesmo esperar uma melhora do quadro clínico do camisa 23.”Vamos aguardar a sua evolução. Ele estava bem melhor e vamos fazer uma reavaliação até quinta-feira.” Caso siga de fora, Bruno Moraes continua como centroavante da equipe.


Fonte: Diario de PE, Recife, 11/11/2015

Caça-Rato no Guarani-SP


CAÇA-RATO NO GUARANI-SP

Yuri de Lira

Um dos ídolos da história recente do Santa Cruz tem agora uma nova casa. Flávio Caça-Rato foi confirmado, na tarde desta quarta-feira, como novo reforço do Guarani. Atuando no futebol de várzea, o atacante assinou contrato com clube de Campinas até o fim do Campeonato Paulista do próximo ano.
Caça-Rato foi contratado pelo Remo (a sua última equipe profissional) no começo deste ano após não ter renovado contrato com o Santa. Foi recepcionado com status de popstar. Converteu a última cobrança da série de pênalti que deu o título da Copa da Amazônia em cima do Paysandu. Depois, caiu de desempenho e perdeu espaço na equipe ainda sob o comando do técnico Zé Teodoro, que o indicou, mas acabou deixando também o time paraense.
No fim da curta trajetória no Pará, o atacante ainda se queixou de salários atrasados e pediu para sair após ter marcado apenas três gols. CR7 ainda se envolveu em uma polêmica após demorar para se reapresentar.
Desde que saiu do Remo, em abril, para não ficar inativo, estava no amador Argentino Juniors, de Ipojuca - litoral sul de Pernambuco. No Santa Cruz, Caça-Rato se tornou ídolo ao fazer gols decisivos no acesso para a Série B, no ano passado, e no Pernambucano de 2013. O jogador ainda tem no currículo pelo time coral uma subida para a Série C e um estadual, em 2012.

Fonte: Diario de PE, Recife, 11/11/2015

A inspiração de Allan Vieira


A INSPIRAÇÃO DE ALLAN VIEIRA

O relógio já marcava 29 minutos do segundo tempo. O Santa Cruz vencia o Oeste por 2×0 e cadenciava a partida. Até que Tiago Cardoso lançou para Allan Vieira. Do campo de defesa até a linha de fundo da área adversária, ninguém parou o lateral tricolor. Muito fôlego e cruzamento preciso para Luisinho marcar o terceiro gol coral do jogo.
A explicação para a energia de Allan no final da partida está nos treinamentos. “Trabalho bem durante a semana para ganhar mais força física e resistência. Espero continuar ajudando o Santa Cruz cada vez mais”, comentou o lateral. A inspiração para lances como o protagonizado contra a equipe de Itápolis está em um ex-lateral-esquerdo da Seleção Brasileira.
“Sempre via Roberto Carlos jogar e me inspirava nele, na força que ele tinha para chegar até o fundo. Em todos os times que passei falavam que eu tinha bastante força e procurei trabalhar isso”, contou.
Na próxima rodada, Allan e os companheiros terão outro desafio pela frente. O Tricolor enfrentará o Botafogo, sábado, no Engenhão. Com a vitória diante do Luverdense, na rodada passada, o alvinegro carioca já garantiu o acesso à Série A. Mas os jogadores corais sabem que não terão facilidades.
“O treinador deles (Ricardo Gomes) falou que eles tinham que comemorar 10 minutos só porque ele queria ser campeão. Temos de entrar ligados porque se dermos brecha eles vão querer fazer festa em cima da gente”, frisou.


Fonte: Blog de Primeira, Folha de Pernambuco, Recife, 11/11/2015