sexta-feira, 5 de junho de 2015

O ponto vulnerável


O PONTO VULNERÁVEL

Rômulo Alcoforado

Parte da torcida e da imprensa já decretou que a principal deficiência do Santa Cruz é o ataque. De fato, o técnico Ricardinho ainda não encontrou a dupla ideal – e quem quer que entre tem desperdiçado boas oportunidades em todos os jogos. Mas a frieza dos números mostra que o setor ofensivo não é o grande problema tricolor no início da Série B. A “bronca” está na ponta oposta do campo. A defesa tem sido uma peneira. É a mais vazada da competição: sofreu 10 gols em 5 cinco jogos, média de dois por partida.
Pode ser coincidência, mas não parece. O mau desempenho da defesa coincide com as saídas do zagueiro Alemão (por lesão) e do lateral-esquerdo Tiago Costa. Com os dois, na reta final do Campeonato Pernambucano, o Santa ficou quatro jogos consecutivos sem sofrer gols. Exatamente as semifinais contra o Central e a final diante do Salgueiro.
Diego Sacoman é o jogador responsável por substituir Alemão. O recém-contratado Néris ainda não convenceu o treinador de que pode ser o companheiro de Danny Morais. No lugar de Tiago Costa, Renatinho começou, mas acabou sacado em detrimento do experiente Lúcio. Mas não são os únicos responsáveis pela queda de rendimento do setor. Normalmente, é um problema de toda a equipe. Começa nos atacantes e passa por meias, laterais e volantes. Com responsabilidade maior, claro, dos homens de trás.
Ricardinho, pouco depois da derrota para o Paysandu/PA, na última terça-feira, comentou o assunto. Na partida, a Cobra Coral levou dois gols infantis. No último deles, o meia Carlinhos – com pouco mais de 1,70m – nem precisou saltar para marcar de cabeça. ” Conseguimos ficar bem postados e ter bons momentos, mas não conseguimos aproveitar. E, por conta de desatenção lá atrás, acabamos dando ao adversário a condição de transformar as oportunidades em algo positivo para eles. Foi assim também com o ABC”, avaliou – atribuindo as falhas à falta de atenção.
VOLTA

Criticado pela torcida tricolor pelo pouco equilíbrio emocional dentro de campo, Alemão foi peça importante do time no Estadual. Tanto que a mesma arquibancada que reclamava, hoje sente sua falta. Mas vai ter de esperar um pouco mais para vê-lo de novo em campo. O prazo para o retorno após o estiramento muscular na coxa direita tem sido frequentemente ampliado. No momento, o atleta está no Departamento Físico, depois ainda terá de passar por um processo de transição para, só então, ficar à disposição de Ricardinho.

Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, 05/6/2015

Nenhum comentário: