sexta-feira, 12 de junho de 2015

A entrevista de Ricardinho


A ENTREVISTA DE RICARDINHO

Yuri de Lira

A coletiva de Ricardinho na véspera do jogo contra o Boa Esporte-MG foi marcada pela rispidez do treinador. De cara amarrada, não se furtou em atacar os repórteres e jornalistas presentes na sala de imprensa do Arruda para se blindar das perguntas. Dois assuntos abordados na coletiva desta quinta-feira, mais precisamente sobre os treinos fechados e a saída de Sandro Barbosa da gerência de futebol, na semana passada, foram recebidos com bastante inconveniência pelo técnico coral.
Ao ser questionado sobre a grande frequência dos treinamentos de portões fechados, Ricardinho justificou-se dizendo que a imprensa de Pernambuco era que não estavam acostumada à rotina de trabalhos secretos nos clubes de futebol - segundo ele, prática comum no Sul e Sudeste do país. Ignorou completamente o fato de as coberturas de vários profissionais do Estado não serem exclusivamente localistas e disparou.
"Na verdade, eu não faço treino secreto. Vocês é que não estão acostumados. Vocês podem gravar, mas existe o nosso momento de privacidade. Eu procuro preservar isso. Lá no Sul e Sudeste, acontece isso sempre", falou, em tom duro. Quando retrucado, devolveu de maneira irônica e igualmente rude. "Vai ver eu trabalhei pouco lá e não sei."
A grosseria do treinador do Santa Cruz não parou por aí. Ricardinho ainda quis fazer as vezes de editor ou pauteiro da imprensa televisiva. "Eu também não vejo a necessidade de se filmar o treino inteiro. Quinze ou 20 minutos são suficientes para vocês fazerem uma matéria. Até porque vocês editam e só vai 30 segundos ao ar", sugeriu sem conhecimento de causa.
O tom áspero seguiu forte no entrevista. Na hora de falar sobre as divergências que Sandro Barbosa havia tido com ele antes de deixar o clube (expostas pelo próprio ex-dirigente) vieram as evasivas, ainda mais grosseiras. "Não vou responder sobre isso. Houve muitos comentários sem ninguém me perguntar nada. Então, não preciso comentar o que já aconteceu", declarou - esquecendo-se de que ele só tem coletivas marcadas com a imprensa local uma vez por semana, ou seja, a última havia sido antes da saída do coordenador.
Ricardinho ainda preferiu deixar no ar que as exigências feitas a ele para a direção - também expostas por Sandro Barbosa - nunca existiram. Tais como a vinda de novos reforços e melhores condições de treinamento. "Alguém aqui já me viu pedir contratação de jogador publicamente? Alguém me viu comentar sobre a estrutura do clube? Que falta hotel? Não, né? Colocaram que se o Santa Cruz vai treinar fora foi porque fui eu que pedi. Isso tudo é uma barbaridade, uma mentira."

Fonte: Diario de PE, Recife, 11/6/2015

Nenhum comentário: