quinta-feira, 19 de março de 2015

Os primeiros campos de futebol do Recife


Campo do Santa Cruz, em Afogados

OS PRIMEIROS CAMPOS DE FUTEBOL DO RECIFE

Cassio Zirpoli

Hoje, se discute a transição de “estádio” para “arena”. Num passado distante houve um debate semelhante, entre “campo” e “estádio”. A antiga denominação fazia mais sentido, com campos murados, quase sem assentos, como os campos de várzea que conhecemos na atualidade.
Com registros históricos, incluindo o Blog do Roberto, o Blog do Mequinha e o Santa Cruz, a História e a Glória, foi possível apresentar os primeiros estádios dos grandes clubes pernambucanos na era amadora. Em ordem cronológica de abertura, Náutico, Sport, América e Santa. Até o Íbis teve um campo, onde hoje funciona o Hospital Oswaldo Cruz, em Santo Amaro, sem registro.
Voltando ainda mais no tempo, vale destacar que o primeiro jogo de futebol na cidade, Sport 2 x 2 English Eleven, em 1905, ocorreu no Campo do Derby.

AFLITOS (1918)

Em 1917, a Liga Sportiva Pernambucana, atual FPF, arrendou um terreno nos Aflitos para construir um campo de futebol. Segundo o historiador Carlos Celso Cordeiro, o objetivo era utilizá-lo nos jogos oficiais do campeonato estadual de futebol, que havia começado dois anos antes. No entanto, apenas um ano após a inauguração da cancha, a Liga desistiu do terreno e o Náutico assumiu o arrendamento do campo murado cercado por árvores (foto de 1926). Pouco tempo depois, o Alvirrubro compraria toda a área, hoje ocupada pelo estádio Eládio Barros Carvalho e a sede tombada. A arquibancada dos Aflitos como conhecemos hoje começaria a ser construída na década de 1930.

CAMPO DA AVENIDA MALAQUIAS (1918)

Antes da Ilha do Retiro, o Sport teve outro estádio, o primeiro com esse status no Recife, onde atuou 235 vezes. Entre 1918 e 1937, o Campo da Avenida Malaquias – logo na esquina com a Avenida Rosa e Silva – foi o principal praça esportiva da cidade, recebendo até oito mil espectadores. Tudo por causa da estrutura, de 75 metros de comprimento e 40 metros de largura, trazida de navio para a capital pernambucana. Sim, a arquibancada de madeira e ferro foi comprada. No Rio de Janeiro, o Fluminense se desfez de seu antigo estádio após construir as Laranjeiras, na época o maior palco do Brasil. Na Malaquias, a Seleção Brasileira jogou cinco vezes, perdendo uma vez, para o Santa Cruz.

CAMPO DA JAQUEIRA (1920)

O América teve três campos na era amadora do nosso futebol. Em 1918, o Mequinha passou a tomar conta do histórico British Club, num terreno atrás do Museu do Estado, hoje tomado por edifícios. Em 1920 o Alviverde teve a sua principal casa, o Campo da Jaqueira. Como o nome sugere, ficava onde atualmente existe o Parque da Jaqueira, mais precisamente no circuito de bicicross, pertinho da Rua do Futuro. O campo (foto de 1931) também era chamado de “América Parque”. Devido a uma crise financeira – já naqueles tempos -, o clube perdeu a praça esportiva para o Tramways. No último ano do amadorismo, o América assumiu o Campo da Avenida Malaquias, após a mudança do Sport para a Ilha.

CAMPO DE AFOGADOS (1928)

O Santa Cruz perambulou bastante na cidade até chegar no Arruda, em 1943. Muito antes do “Alçapão do Arruda”, o avô do Mundão, existiu o Campo de Afogados. O primeiro campo da história coral, na Rua São Miguel, ficava ao lado de sua antiga sede social. Na inauguração, em 8 de dezembro de 1928, o Tricolor realizou um torneio com times suburbanos, num evento com muita gente presente, com ingressos disponibilizados para “cavalheiros”, “crianças” e “carros ocupados”. No fim da festa, registrada nos jornais da cidade (reprodução abaixo), o Santa venceu o Marvelo por 2 x 1, como relata o livro História do Futebol em Pernambuco, de Givanildo Alves. Em Afogados, o clube chegou a disputar um Clássico das Multidões.

Fonte: Diario de Pernambuco

Nenhum comentário: