terça-feira, 31 de março de 2015

Gena, do hexa ao penta


GENA, DO HEXA AO PENTA

Iniciou sua carreira no Náutico, onde conquistou o hexacampeonato pernambucano (1963 - 1968). Em 1969, transferiu-se para o Santa Cruz, dando início a conquista do penta campeonato (1969-1973). Tornando-se assim um dos poucos, senão o único atleta a conquistar 11 títulos estaduais consecutivos.
Apesar de ter sido pentacampeão pela Santa Cruz, Gena, aos 38 anos, não conseguiu renovar com o clube. Talvez, pela idade. Ao deixar o Tricolor, recebeu uma proposta do Centro Esportivo Força e Luz, de Natal, no Rio Grande do Norte. Experiente, tornou-se treinador, mas sem deixar de jogar.
Conquistou pelo Náutico 13 títulos: Hexa-Campeão Pernambucano (1963-1968), Tri-Campeão do Norte (1965 - 1967), Vice-Campeão Brasileiro - Taça Brasil (1967), Campeão do Torneio do Centenário de Campina Grande, Campeão do Torneio Quadrangular dos 430 anos do Recife e Campeão do Torneio Quadrangular de Salvador.
Pelo Santa Cruz, conquistou 5 títulos: Penta-Campeão Pernambucano (1969-1973).
Gena ganhou o Prêmio Belfort Duarte. Criado em 1945 e concedida pela CBF, contempla os atletas "fair play" do Brasil.

Fonte: Wikipédia

Pra ficar em segundo


PRA FICAR EM SEGUNDO

Emanuel Leite Jr

Com o Santa Cruz já classificado para a semifinal do Campeonato Pernambucano e o Sport com a liderança assegurada por antecipação, qual o atrativo do Clássico das Multidões do próximo domingo (5)? Para Betinho, a importância do confronto vai além do velho chavão do futebol. Sem deixar de mencionar que a motivação para um clássico é diferente, o atacante enfatiza que a vitória sobre o rival é importante para dar confiança ao time, além da possibilidade de terminar o hexagonal em segundo lugar.
“A motivação é diferente. Por ser um clássico contra o Sport, a motivação é diferente”, disse, laconicamente. Para, em seguida, ir além do lugar comum. Descartando qualquer sentimento de revanche pela derrota por 3 a 0 na primeira rodada do Estadual, Betinho destacou que vencer o clássico é fundamental por possibilitar que o Santa Cruz enfrente o Central na semifinal com a vantagem de decidir em casa, a depender, obviamente, de um tropeço da própria Patativa. “[Ganhar é importante] para dar confiança. E também estamos tratando como um jogo especial. Queremos jogar a segunda partida em casa”, comentou.
O jogador, entretanto, não espera facilidade. Nem mesmo pelo fato de o Sport já ter a liderança garantida. “A gente conhece o Sport. Competitivo e de qualidade. Eles estão jogando junto desde ano passado”, ressaltou. Além disso, Betinho reconhece sua responsabilidade e torce para que tenha companhia no ataque. “Jogar ali na frente tem que fazer gol. Acredito que Aquino poderá jogar.”

Fonte: Diario de PE, Recife, 30/3/2015

Os "pendurados"


OS "PENDURADOS"

William Tavares

O Clássico das Multidões pode não ter um efeito decisivo grande – já que tanto Sport como Santa Cruz estão classificados para as semifinais do Campeonato Pernambucano – mas nem por isso deixa de influenciar diretamente no mata-mata. Isso porque em ambos os times há uma lista de atletas pendurados. Nove ao todo. E se tomarem mais um cartão amarelo, ficarão de fora do jogo de ida das sêmis. Confira abaixo quem são os jogadores.

SPORT: Magrão, Renê, Ronaldo, Élber e Danilo

Do quinteto, dois são titulares absolutos (Magrão e Renê) e outros dois peças importantes na equipe comandada pelo técnico Eduardo Baptista, casos de Élber e Danilo. Ronaldo seria o jogador que menos preocuparia em caso de uma suspensão, por se tratar de um reserva.

SANTA CRUZ: Danny Morais, Tiago Costa, Bileu e Thiaguinho

Danny e Tiago Costa são titulares. Perder os dois para a fase decisiva do Estadual seria um baque grande para o técnico Ricardinho. Bileu, mesmo tendo perdido espaço na equipe recentemente, é outro atleta que tem sua importância, principalmente em se tratando de improvisação. No caso de Thiaguinho, o atleta virou reserva de João Paulo e a tendência é que nem sequer entre em campo no clássico.

Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 30/3/2015

Chegando mais forte


CHEGANDO MAIS FORTE

Felipe Amorim

Depois passar os últimos dias apenas treinando por conta da parada do Campeonato Pernambucano, o Santa Cruz iniciou essa semana afinando os detalhes para encarar o Sport, pela última rodada do Hexagonal do Título. A partida será domingo (5), às 16h, na Ilha do Retiro.
Titular absoluto desde a quinta rodada, o goleiro Fred acredita que a equipe tricolor chega mais forte, depois dessa pausa na competição. “Passamos a semana passada aprimorando a parte física e agora será para ajustarmos os últimos detalhes. Esse período agora será muito fundamental para lapidar visando não só o clássico como os jogos das semifinais”, disse o camisa 1 do Santa Cruz.
Vindo mais descansado do que o rival Sport, que depois ter enfrentado o Fortaleza, pela Copa do Nordeste, ainda terá um compromisso pela Copa do Brasil na próxima quarta-feira, o Santa Cruz terá esse fator ao seu favor.
Agora apesar da agenda cheia do rival, o atacante Betinho pregou cautela total. “O Sport é um time bastante competitivo e de muita qualidade. Não podemos dar brecha para eles. Agora, assim como aconteceu no jogo de ida, aqui no Arruda, quando eles ganharam da gente, temos totais condições de vencermos eles na Ilha”, acredita.

Fonte: JC, Recife, 30/3/2015

sábado, 28 de março de 2015

Um pouco de Fernando Santana



UM POUCO DE FERNANDO SANTANA

Campeonato Pernambucano de 69. O garoto Fernando Santana estréia no futebol profissional. Aquele seria o primeiro de cinco gloriosos anos. Cinco vezes campeão, em todos defendendo as cores do Santa Cruz. Aos 51 anos, Santana conhece bem a emoção de um grande clássico. Sabe o que é a Ilha do Retiro tomada por uma torcida insandecida, gritando "É campeão". Em seu ano de estréia, foi justamente na casa do adversário que ele bateu o Sport por 2x1 e levou o disputado título para o Arruda.
A carreira vitoriosa do ex-jogador foi vivida, quase toda, defendendo o brasão tricolor. "Experimentei as maiores glórias que um jogador pode desejar vestindo a camisa do Santa Cruz", emociona-se. O título de 69 foi, de longe, o mais inesquecível dos oito campeonatos disputados. "Fazíamos parte de um grupo que saiu do juvenil para ser campeão pernambucano. Faltava dinheiro, mas sobrava determinação, espírito de luta."
Vontade de vencer é o que Fernando Santana espera, hoje, dos 11 jogadores do Santa Cruz. Ele sabe da tarefa difícil de logo mais, à noite, mas não se entrega. Diz que o maior compromisso do time é o de jogar um bom futebol, dar o espetáculo que a torcida espera e merece ver. "Nem sempre quando a gente quer ganhar, consegue sair vencedor. Mas tem que lutar até o último instante da partida". Palavra de um pentacampeão. De quem, em cinco anos de campeonatos vitoriosos, saiu artilheiro três vezes.
Se as grandes alegrias de Santana vieram na pele de atacante tricolor, uma das maiores frustrações também diz respeito à sua história no Santa Cruz. Ou melhor, fora dele. No ano em que se tornou hexacampeão, o jogador conquistou o título defendendo as cores do Náutico. "Era 1974. Eu tinha ganhado todos os campeonatos anteriores pelo Santa. Até hoje, guardo a tristeza de não ter sido hexa pelo meu time de coração". Coisas do futebol.
Agora o grande desejo de Fernando Santana é ver transformada em realidade uma dupla comemoração. Juntar numa só festa a homenagem pelos 30 anos do início da conquista do Penta e o título de campeão do campeonato estadual de 99. "Seria coroar com as maiores honras a história vitoriosa do Santa Cruz". Uma parte da festa já está garantida. A outra, é esperar para ver.

Fonte: JC, Recife, 12/7/1999

"Quem apanha não esquece!"


"QUEM APANHA NÃO ESQUECE!"

Yuri de Lira

Antes das semifinas com o Central, o volante Edson Sitta volta todas as atenções para o confronto diante do Sport. Embora a partida, válida pelo fechamento do hexagonal do título, sirva apenas para decidir se o Santa Cruz terminará em segundo ou terceiro (e onde vai decidir a vaga para a decisão contra a Patativa), o volante destaca a importância do reencontro com os rubro-negros, em 5 de abril, na Ilha. Porta-voz do grupo e capitão do time, nega revanchismo depois da derrota por 3 a 0 para o rival, ainda na estreia do PE2015. Porém, deixa claro a vontade de bater o Leão.
"Sofremos um resultado negativo na primeira partida e temos que focar neste jogo. Não tem nada de revanche, mas, quem bate, esquece. Quem apanha não esquece nunca. Eu não esqueci aquela derrota. O objetivo é fazer um grande clássico para depois pensar nas semifinais", disse o cabeça de área.
Sitta destaca ainda que outro revés para o Sport pode novamente transformar o ambiente no Arruda - hoje, de calmaria devido às duas vitórias seguidas no campeonato. "Se perder, as coisas mudam. O trabalho já começa a ser questionado e tudo volta a ser uma interrogação."

SECAÇÃO

O Sport decide uma vaga nas sêmis da Copa do Nordeste no próximo domingo, quando recebe o Fortaleza, na Ilha. Se avançar no regional, vai seguir tendo que conciliar o torneio com o Pernambucano. Se for eliminado, poderia vir abalado para o clássico com o Santa Cruz, uma semana depois. Perguntado sobre qual situação seria melhor para o time coral, Sitta esquivou-se. "Independente de como vierem, temos que nos preocupar somente conosco. Estou preocupado com o Santa Cruz. Deixo essa parte mais para o torcedor."

Fonte: DP, Recife, 27/3/2015

O bom momento de Nininho


O BOM MOMENTO DE NININHO

Paulo Henrique Tavares

O melhor momento do Santa Cruz no Campeonato Pernambucano apareceu quando o técnico Ricardinho resolveu uma dor de cabeça, até então, sem solução. Finalmente o torcedor tricolor pode falar de cabeça quem são os dois laterais titulares da equipe. O caso de Nininho, no entanto, consegue ser diferente do de Tiago Costa, que ganhou a posição logo que chegou ao Arruda. A evolução do garoto tem saltado aos olhos, fato já relatado pelos próprios companheiros de equipe.
O zagueiro Danny Morais, por exemplo. Segundo o defensor, o garoto, reserva durante o início da temporada, é um modelo de evolução para o grupo. “Ninguém falava em Nininho e hoje ele está contribuindo muito. Do Betinho, se falou muita coisa, mas ele está nos ajudando com gols. Estamos com boas opções para dar essa volta por cima”, disse o defensor, antes de considerar como ponto importante da subida de produção tricolor, a boa fase dos laterais da equipe.
A palavra que o atleta Nininho usa para justificar a boa fase é “confiança”. E o técnico Ricardinho é apontado como o personagem principal para a melhora do seu futebol. “O professor me deu confiança para jogar, e eu joguei livre, sem medo de errar. Ele estar me passando confiança tem contribuído muito para o meu jogo. Acredito que estou correspondendo bem, e jogando em alto rendimento”, afirmou o jogador.
Até conseguir a titularidade, Nininho teve de conviver com a indecisão da reserva. Ao todo, foram sete jogos. Neste período o técnico Ricardinho promoveu as entradas de Moisés e, improvisou, o volante Bileu. “O jogador mesmo sem estar jogando tem de treinar no máximo. Foi o que eu tava fazendo, que pra quando eu tivesse a oportunidade, pudesse corresponder a altura. Acho que conseguir suprir as necessidades do time”, contou o atleta.

Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 27/3/2015

Variações


Pedro Castro reapareceu

VARIAÇÕES

Felipe Amorim

O técnico Ricardinho encerrou, nesta sexta-feira (27), no Arruda, a semana de treinamentos do Santa Cruz. Sem poder contar com algumas peças, o treinador testou mais uma vez o esquema 4-5-1, utilizado uma única vez em todo o Campeonato Pernambucano, e com isso um jogador que andava esquecido reapareceu entre os titulares.
Sem o meia Raniel e os atacantes Anderson Aquino e Waldison para compor o setor ofensivo (todos estão no Departamento Médico), o treinador trabalhou algumas variações até como forma de situação de jogo. Contra o Central, pela terceira rodada, por sinal, foi a primeira e única vez que Ricardinho armou o Santa Cruz com apenas um atacante e cinco meio-campistas. Naquele 18 de fevereiro, o Tricolor venceu por 2x1, com gols de Guilherme Biteco e João Paulo, ambos frutos de passes de Betinho.
No trabalho de hoje, Betinho foi mais uma vez o único atacante do time. Apesar de contar com o jovem Gllawcyo e Nathan - o único dos 16 contratados que ainda não estreou -, o treinador armou, durante toda a movimentação, o time no 4-5-1. Por sinal, Nathan permaneceu entre os reservas até o fim do treino.
Agora a grande surpresa mesmo foi a volta de Pedro Castro. Apesar da pouca idade, o meia de 22 anos, oriundo das categorias de base do Santos, foi contratado com a responsabilidade de liderar o meio-campo tricolor. Só que bastou uma única partida, na derrota por 3x0 para o Sport, na estreia da Campeonato Pernambucano, para ele não voltar mais - e ainda foi substituído por Renatinho. Em certos momentos durante os treinos, inclusive, nem entre os reservas ele tinha espaço.
Com o reaparecimento de Pedro Castro, o time passou a ter três meio-campistas e dois volantes. A escalação foi: Fred, Nininho, Alemão, Danny Morais, Tiago Costa; Edson Sitta, Bruninho, João Paulo, Emerson Santos e Pedro Castro; Betinho.

Fonte: JC, Recife, 27/3/2015

sexta-feira, 27 de março de 2015

Integração social




INTEGRAÇÃO SOCIAL

Rafael Brasileiro

Como é pisar um gramado que já vivenciou dias de glória? Para um atleta profissional é rotina. A emoção é apenas no primeiro jogo. Mas e para um grupo de garotos? Ao pisar o gramado alguns foram tímidos, chegaram a se benzer e tocar no piso considerado sagrado por muitos. Outros deixaram a timidez e decidiram correr e se jogaram na grama como comemorassem um gol. Um momento inesquecível e que só ficou maior quando foram recepcionados pelos jogadores do Santa Cruz.
O entusiasmo dos atletas do Ronas FC, ONG do Alto do Pascoal em correr pelo Arruda como se fosse o quintal de casa só foi substituído pelo misto de alegria e choque ao encontrar os ídolos. Os nove atletas que têm entre oito e 14 anos com certeza não esquecerão do momento, mas o projeto que eles compõem é muito maior do que o que aconteceu nesta quinta-feira.
Liderado pelo vigilante Ronaldo do Patrocínio, o projeto já conta com cerca de 100 alunos e o objetivo é tirar os jovens entre 8 e 17 anos das ruas. “Dou aulas às sextas, sábados e domingos e o que quero é evitar que essas crianças se envolvam com a criminalidade. Estou fazendo isso há quatro anos e já colhemos alguns frutos”, contou Ronaldo.
O técnico se referia aos atletas que já estão indo para clubes, caso de Deivson do Nascimento, que já joga no Santa Cruz e do início de uma parceira com a escolinha do Santos. Com uma unidade no Recife, Ronaldo revelou que alguns de seus atletas também jogam com a camisa alvinegra. “Dois atletas do sub-15 estão indo para São Paulo na próxima semana para fazer testes e temos vários outros já atuando nas categorias menores”, esclareceu se referindo a Ivson dos Santos, 10 anos, Marcos Guilherme, 12 anos, e Ronaldo do Patrocínio, 8 anos, que visitaram o Arruda nesta quinta-feira.
O objetivo do projeto é tirar os jovens entre 8 a 17 anos das ruas
Após autógrafos, fotos e abraços, os futuros craques foram pra casa satisfeitos. Com um sorriso no rosto e com o sonho de se tornar atleta profissional alimentado pelo encontro com os ídolos.

Fonte: Diario de PE, Recife, 26/3/2015

quinta-feira, 26 de março de 2015

O dia em que Pelé viu Ramon jogar


O DIA EM QUE PELÉ VIU RAMON JOGAR

Lucas Fitipaldi e José Gustavo

Pelé já estava chegando perto de pendurar as chuteiras, em 1973. Mas ainda era Pelé. Todas as atenções estavam nele. O Santos continuava sendo considerado um dos maiores clubes do mundo. Trazia em sua equipe ainda Clodoaldo, Carlos Alberto, Edu, Hermes e Euzébio. Mas do outro lado estava o Santa Cruz. Uma das equipes mais fortes, na época, do futebol brasileiro. O Diario estampou na matéria do dia seguinte ao jogo que marcou o retorno coral ao Mundão do Arruda: "Santos assistiu à festa do Santa".
Uma narrativa emocionante e detalhista conta a história de um jogo que entrou para os anais do clube coral. Uma tarde onde brilhou a estrela do atacante Ramon, autor de dois dos três gols do Tricolor na vitória por 3 x 2. "Quem foi ver Pelé no Arruda acabou vibrando com Ramon" foi outra manchete da edição daquela segunda-feira, 8 de outubro.
"Foi uma tarde de domingo que entrou para a história mesmo. Não sai da minha memória. Estávamos enfrentando o Santos e com Pelé. Fizemos uma partida exemplar e o estádio quaseveio abaixo quando eu marquei o terceiro gol e abrimos 3 x 0", relembrou Ramon. Logo em seguida, o ex-atacante coral completou: "Em sete minutos eles fizeram dois gols, sendo um do 'Negão'. Se houvesse mais dez minutos de jogo eu acho que eles viravam", comentou sorrindo.
Causos fantásticos fizeram a história antes, durante e depois da partida. Um deles refere-se ao ex-presidente da Federação Pernambucana de Futebol, Rubens Moreira. O cartola foi visitar o elenco do Santa Cruz na concentração. Ofereceu um bicho para cada jogador em caso de vitória mas fez um pedido: "Ele pediu para a gente não bater muito em Pelé. Não chegar duro demais, ter cuidado", afirmou Ramon. Afinal, não seria nada bom para o futebol pernambucano Pelé sair machucado do Arruda.
O ex-volante Givanildo ficou encarregado de marcar o Rei. E o "Topo Giggio", como era chamado na época deu a seguinte declaração ao Diario: "Ninguém marca o Rei. Ele é que às vezes não joga bem". Mas, naquele dia, Givanildo anulou Pelé. "Joguei bem mesmo e sem dar pancada, na bola, antecipando aos lances", afirmou Giva.
Mas o centro das atenções mesmo foi Ramon. Tanto que ao final do jogo, o próprio Pelé procurou o meia Gena, do Santa Cruz, seu amigo particular para saber mais sobre o centroavante que tinha detonado na partida. "Gena, esse centroavante é sempre assim ou foi só neste jogo?". Depois de colher as melhores referências Pelé indicou a contratação de Ramon. O dirigente santista Clayton Bittencourt procurou o presidente tricolor Gastão de Almeida e fez uma proposta oficial. "O Santa Cruz não quis me negociar", enfatiza Ramon.

Fonte: Superesportes (outubro 2010)

Um grande retorno


UM GRANDE RETORNO

Daniel Leal

A presença de Tiago Costa causou surpresa no Arruda. Na tarde do último dia 4 de março, então recém-dispensado do Ceará, o lateral foi às dependências corais para apenas resolver pendências com o antigo clube (havia deixado o Santa Cruz no fim de 2014). Não saiu mais. Assinou um contrato curto, de três meses. Mas o suficiente para provar, desde já, que merece ficar por muito mais tempo. Em dois jogos pelo Estadual, mostrou-se impreterível para o time. Ganhou elogios do técnico Ricardinho e encerrou um problema crônico na equipe.
Tiago Costa reestreou contra o Serra Talhada na vaga do questionado Léo Veloso. Seguiu contra o Central. Foi peça fundamental em ambas as vitórias e na conquista da classificação às semifinais do Campeonato Pernambucano com uma rodada de antecedência - uma classificação, que, inclusive, andava ameaçada. O retorno do lateral de 27 anos foi tão bom que surpreendeu até o próprio jogador.
"Eu imaginava que poderia voltar bem. Sei do meu potencial e da minha qualidade. Mas fiquei surpreendido pela forma que foi. Claro que a gente confia no nosso trabalho, mas fiquei surpreso, sim. Mas se fiz um bom jogo, já penso que tenho que ser ainda melhor no posterior", disse Tiago Costa. "Só não posso deixar a empolgação atrapalhar", complementou.

CONTRATO
Sobre o curto contrato, que vai até o próximo mês de junho, Tiago Costa se mostrou confiante. Em alta com o treinador e visivelmente ajudando na evolução da equipe, o atleta sabe que bastará manter o bom futebol para que a renovação se encaminhe.
"Quando sai daqui, já tinha entrado em contato para quitar dívidas de salários. Quando a diretoria me ligou, a gente entrou nesse acordo de três meses, mas me disseram que quando acabasse, sentaríamos novamente para fazer um novo contrato", explicou o lateral.

Fonte: Diario de PE, Recife, 25/3/2015

quarta-feira, 25 de março de 2015

Verdade ou mentira?


VERDADE OU MENTIRA?

Yuri de Lira

O vice do Santa Cruz, Constantino Júnior, mostrou chateação com as declarações do presidente do Náutico, Glauber Vasconcelos - que teve um áudio vazado na internet em que compara a situação de atrasos salariais do Timbu e do Tricolor. O dirigente coral defendeu-se. Rebateu o mandatário alvirrubro e garantiu que o que foi dito pelo rival não tem fundo de verdade. Antes, já tinha postado no Twitter: "Dos nossos problemas cuidamos nós mesmos."
No áudio, Glauber Vasconcelos disse que a diretoria tricolor não havia pago aos jogadores tudo o que devia no mês de janeiro. Apenas os valores relativos aos diretos de imagem. Constantinho negou a informação. "Desde a gestão de Antônio Luiz Neto, temos uma política de pagar tudo aos atletas. Imagem e os salários de carteira", disse o vice tricolor.
Seguiu blindando o Santa. "Ainda pagamos um 'bicho' (premiação) pela classificação após o jogo de sábado, dentro mesmo dos vestiários. Estamos num esforço tremendo." O Santa Cruz, no entanto, ainda deve as folhas de fevereiro e março, que venceu no último dia 15.
Além de chatear Constantino, a intromissão do presidente do Náutico também decepcionou o dirigente coral. "A gente sempre briga juntos por melhorias para os nossos respectivos clubes, na FFP, na CBF. Glauber é um cara que sofre para administrar esses problemas de salário e entende a situação. Não achei legal o que ele falou."

Fonte: Diario de PE, Recife, 23/3/2015

Manda quem pode


MANDA QUEM PODE

Lenivaldo Aragão

Época do mecenas James Thorp, o filho de inglês, caixa alta na White Martins, homem que gastou uma fortuna no Santa Cruz, ora como diretor de futebol, ora como presidente. Sua chegada diariamente ao Arruda causava um frisson. Sempre aparecia com um carro diferente, geralmente importado, pois possuía uma frota. A preferência era por um Mercedes Benz. Não tinha um pingo de preconceito e às vezes ficava nas arquibancadas, com o estádio ainda em construção, conversando com o povão. Era chamado de Seu Jime, ou O Galego. Às vezes tratavam-no como O Inglês.
Gastava a rodo no Santa e seu talão de cheques abriu caminho para o Tricolor sagrar-se pentacampeão (1969 a 1973). No ano do bicampeonato (1970), ele deu um Fusca zerinho a cada jogador que não tinha carro. Eu fiz a cobertura para o Diário de Pernambuco, da saída dos Volks, da agência Sael, na Avenida Cruz Cabugá, diretamente para o Arruda. À frente do desfile, Jorginho, o ponta-esquerda supercampeão de 1957, homem deconfiança de James. A explicação do Inglês para tamanha extravagância:
“Eu acho muito chato ver os jogadores do Santa Cruz chegando ao clube a pé, enquanto nossos adversários andam de carro”, explicou.
James não se esperava de um charuto, que tragava, sofregamente.
O técnico Gradim, responsável pelo primeiro título do Penta, em 1969, certa vez repreendeu o dirigente Negib Correia Lima por ter entrado fumando no vestiário, depois de um jogo. Negib humildemente acolheu a reclamação do treinador e apagou o cigarro.
Instantes depois aparece James, feliz da vida, charuto espalhando fumaça para todos os lados, e abraçando todo o mundo. Alguém chegou perto de Gradim e apontou:
“Chefe, olha o ‘homem’ fumando também.”
O técnico tricolor, com sua voz mansa, nem olhou. Com sua voz mansa, respondeu:
“Mas esse pode…”

Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 25/3/2015

A opinião de Alemão


A OPINIÃO DE ALEMÃO

Felipe Amorim

Geralmente, quando perguntado a um atleta de futebol profissional se ele prefere realizar a segunda partida de uma decisão dentro ou fora de casa, a primeira opção é a escolhida. Afinal, além de contar com o apoio da torcida, comemorar a classificação nos seus domínios tem um gosto especial. Só que para o tricolor Alemão a história é diferente. Segundo afirmou o zagueiro, sua preferência é decidir a classificação contra o Central em Caruaru, no Estádio Luiz Lacerda.
Já garantido na semifinal do Campeonato Pernambucano, a última rodada do Hexagonal do Título servirá para definir a ordem de classificação entre Cobra Coral e Patativa, que farão uma das semifinais.
Na terceira colocação, com 13 pontos e apenas um atrás do vice-líder Central (14), o Santa Cruz pode terminar a fase em segundo lugar caso ganhe do líder Sport e os caruaruenses não vençam o Serra Talhada, no sertão. Se essas combinações acontecerem, o Tricolor fará a partida decisiva no Arruda.
“Vamos entrar pra vencer o Sport, claro. Só que eu prefiro decidir fora. Na minha opinião, é melhor jogar primeiro em casa, fazer o resultado e jogar a pressão para o adversário”, disse Alemão, que também ficará contente caso o Santa Cruz conquiste a segunda colocação. “Agora claro que os torcedores preferem fazer o último jogo em casa, e se isso acontecer faremos uma grande partida com o apoio deles”, completou.

Fonte: JC, Recife, 25/3/2015

A volta do Paredão


A VOLTA DO PAREDÃO

Felipe Amorim

Já liberado pelo Departamento Médico do Santa Cruz, se tudo transcorrer dentro do planejado, o goleiro e ídolo da torcida tricolor, Tiago Cardoso, deverá estar apto para jogar as finais do Campeonato Pernambucano, mesmo que fique no banco de reservas. A boa notícia foi dada um dia após o próprio DM coral ter dado como praticamente descartado a participação do jogador ainda nesse Estadual.
Segundo a nova previsão dos médicos, Tiago Cardoso deve ficar 100% daqui a três ou quatro semanas, tempo suficiente para reforçar o Santa Cruz nas duas partidas decisivas, caso avance do Central nas semifinais. Ainda sem data certa, pois depende da Copa do Nordeste para não haver choque, é provável que as duas partidas finais do Pernambucano aconteçam nos dias 3 e 6 de maio.
“Tiago Cardoso está liberado do Departamento Médico e agora está na transição. Ele tem feito alguns trabalhos com Bosco (preparador de goleiros) e tem tido bons resultados”, disse o médico José Carlos Cordeiro Júnior. De fato, a evolução do goleiro é nítida. Se no mês passado Tiago Cardoso sequer conseguia colocar o pé direito no chão, após algumas sessões de hidroterapia, a recuperação foi acelerada e, já sem a proteção no joelho, faz trabalhos específicos com Bosco.
“Tiago tem uma força de vontade muito boa. Não vou cravar que ele jogará até o fim do Pernambucano, mas acredito que até pelo menos estará apto para jogar. Agora para o Brasileiro é quase certeza sua participação, só dependeria do treinador”, disse o médico. A estreia do Santa Cruz na Série B será no dia 9 de maio (três dias após a finalíssima do Pernambucano), contra o Macaé, no Rio de Janeiro.
Tiago Cardoso lesionou gravemente o ligamento posterior do joelho direito no dia 22 de novembro, contra o Avaí, pela penúltima rodada da Série B do Brasileiro.

Fonte: JC, Recife, 24/3/2015

terça-feira, 24 de março de 2015

Raniel, um jovem de futuro


RANIEL, UM JOVEM DE FUTURO

Yuri de Lira

Foi um gol com valor simbólico importante para Raniel. Contra o Serra Talhada, o meia entrou no segundo tempo e balançou as redes pela primeira vez no time profissional do Santa Cruz, onde está desde o ano passado. Amargando a reserva há duas rodadas, a atuação dele no último sábado serviu ainda para que ganhasse ainda mais o respaldo do técnico Ricardinho. Mais. Para, segundo o próprio prata da casa, que o envolvimento dele com substâncias proibidas, sempre lembrado em entrevistas, comece a ficar em segundo plano em relação ao seu futebol.
Amparado por uma liminar para poder atuar após ter sido flagrado no doping, em 2014, Raniel pensa apenas numa reviravolta na carreira. "O clube me apoiou bastante e a minha família também. Estou conseguindo dar a volta por cima e agora é só bola para frente. O gol serve para que as pessoas esqueçam um pouco aquilo (doping) e saibam que estou pronto para ajudar o Santa Cruz", disse.
O meia ainda explicou a comemoração emocionada quando colocou a bola para dentro diante da equipe sertaneja. "É que passou um filme na minha cabeça. Eu estava há muito tempo procurando fazer esse gol para me aliviar um pouco de certas coisas e me emocionei na hora do gol."
Pela primeira vez, Ricardinho falou abertamente sobre o problema que o jogador se envolveu. Vem apoiando Raniel desde quando chegou no Arruda. "Não tenho dúvida que ele vai poder dar muitas alegrias a torcida. Ele tem qualidade e já disse isso a ele. É um menino de cabeça tranquila, que pensa no lado profissional. O jovem acerta e erra. É um jovem de cabeça boa como ele não é feio admitir um erro (doping). Há tempo para se corrigir, até pela juventude. O que ele fez não foi nada absurdo. Às vezes é o momento da vida, as más amizades que influenciam. Mas isso não mudou em nada o meu conceito com relação ao Raniel. Disse a ele no primeiro dia que cheguei aqui", declarou o treinador tricolor.
Ricardinho não crava, porém, que o meia retorne à equipe de cima. Pede cautela. "Nunca tive dúvida com relação ao Raniel. Mas é preciso ter cuidados com o jogador jovem como ele, que vai oscilar entre momentos bons e ruins. No jogo contra o Salgueiro (derrota por 1 a 0) ele não conseguiu produzir. E optamos por preserva-lo até pela juventude, para que ele tivesse a condição de voltar e nos ajudar", afirmou. "Quem comanda tem que ter o discernimento de colocar o jogador jovem, mas também o de tirá-lo. Tirar um atleta do time é doloroso, mas as vezes se faz necessário", acrescentou.

Fonte: Diario de PE, Recife, 22/3/2015

O bom momento de Fred


O BOM MOMENTO DE FRED

Paulo Henrique Tavares

Sentir-se titular do Santa Cruz ainda não é uma realidade para o goleiro Fred. Nos últimos cinco dos nove jogos da equipe na temporada, lá estava ele embaixo das metas. Apesar de a vaga ter sido conquistada do companheiro Bruno, a sombra que o intimida é a de Tiago Cardoso. Amigo pessoal de Fred, por sinal. Mas o ídolo coral, com um tricampeonato Estadual no currículo, tem lugar cativo no coração de cada torcedor tricolor. Fred também tem ciência disso. Então, o arqueiro programou para si viver o momento. O melhor da vida, segundo o próprio.
“Eu tô procurando viver o momento, sabe?! Pra mim é uma comemoração a cada jogo como titular. Mesmo se eu ficar ate o final do ano, vai ser sempre jogo após jogo, semana após semana… E eu vou viver essas duas semanas como titular, vou dar a vida nos treinamentos”, disse Fred, que não escondeu estar com a cabeça no adversário das semifinais do Estadual. “Dizer que eu não penso no Central, é mentira. Porque é um sonho poder participar de uma semifinal pelo Santa Cruz. Vai ser um sonho e eu peço a Deus chegar a uma final e conquistar um título”, completou.
Tiago Cardoso sofreu uma contusão no ligamento cruzado posterior do joelho direito em novembro do ano passado. Desde lá, segue se recuperando e sua melhora evolui. Ele é aguardado para mais três meses. Assim, até o final do Campeonato Pernambucano, a tendência é que Fred siga mesmo como titular do gol coral. “Eu e o Tiago (Cardoso) temos uma relação muito boa. Ontem mesmo ele estava lá em casa com a esposa e as crianças. E ele sabe que estou torcendo pela recuperação dele. Eu fiquei feliz demais quando ele tirou a proteção do joelho. Eu torço mesmo, de coração, para que ele volte logo”, contou Fred.
Até o dia 5 de abril, quando enfrenta o Sport, pelo Campeonato Pernambucano, o Santa Cruz não fará partidas oficiais. O tempo longe dos gramados não preocupa Fred, que já planeja trabalhar muito durante esse intervalo de tempo. A sua tristeza se dá pelo fato de isso ter acontecido por culpa dos próprios atletas tricolores, ano passado. Afinal, esse período terá um calendário preenchido por Copa do Brasil e Copa do Nordeste. Competições que o Santa Cruz não está disputando.
“Esse ano a gente esta colhendo o ano passado. Nós não conseguimos conquistar a vaga. E o clube Santa Cruz, nós jogadores… todos perdemos muito. Estamos cientes da responsabilidade que a gente tem. Mas precisamos de nos preparar bem essas duas semanas. Entrar no clássico bem, pra chegar forte contra o Central”, afirmou Fred, que nutre expectativas de bons dias pela frente. “Como eu disse pro (Edson) Sitta: rapaz, a gente vai colher frutos bons aqui. Pelo grupo que a gente tem, pelo trabalho que a gente está fazendo. Não tenho dúvidas”, finalizou.

Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, Recife, 24/3/2015

A cautela necessária


A CAUTELA NECESSÁRIA

Felipe Amorim

Apesar de terem vencido as duas partidas contra o Central, na fase do Hexagonal do Título, os jogadores do Santa Cruz não esperam vida fácil nos próximos dois jogos contra a Patativa, mas agora valendo uma vaga na final do Campeonato Pernambucano.
Na terceira rodada, em Caruaru, o Tricolor vencia por 2x1, o que seria a primeira vitória na competição. Já na partida de volta, no Arruda, pela oitava rodada, o placar foi de 1x0.
“Verdade, é um time perigoso que conhecemos bem. Não podemos nos descuidar contra o Central porque precisamos chegar à final. Nesse ano, por exemplo, estamos colhendo o que foi plantado no ano passado, quando não conquistamos as vagas para as copas do Brasil e Nordeste. Por isso estamos muito cientes da nossa responsabilidade”, afirmou o goleiro Fred, que se firmou no posto nas últimas cinco partidas.
Para o volante Bruninho, titular há três jogos, mesmo com o retrospecto favorável, toda a atenção será necessária para não ser surpreendido. “Não podemos ficar pensando que será fácil, porque acaba acomodando. Temos que respeitar todas as equipes da competição. Na próxima fase será outra história, outro campeonato, e ninguém terá vantagem”, disse.

Fonte: Jornal do Commercio, Recife, 23/3/2015

domingo, 22 de março de 2015

Santa Cruz 3x0 Serra Talhada - GOLS - 21/03/15


SANTA CRUZ 3 x 0 SERRA TALHADA
Recife, 21/3/2015

Detalhes tão pequenos de nós dois


DETALHES TÃO PEQUENOS DE NÓS DOIS

Clóvis Campêlo

Amigos, dizem que Nélson Rodrigues, o famoso cronista de futebol, não enxergava bem. Torcedor do Fluminense, ia ao Maracanã e guiava-se mais pelo que ouvia do que pelo que realmente via, naquela imensidão de estádio. Mesmo assim, escreveu crônicas fantásticas sobre o futebol brasileiro e sobre os seus ídolos daquela época. A paixão pelo esporte bretão e a sua sensibilidade de escritor o fazia superar essa limitação com maestria. Não sei se Nelson Rodrigues estivesse ontem no Arruda, teria observado os detalhes tão pequenos que fazem parte de um jogo e de uma paixão tão intensa como a que existe entre o Santinha e a sua torcida.
Ontem, no Arruda, por exemplo, na vitória de 3 x 0 sobre o Serra Talhada, chamou-me a atenção as chuteiras do goleiro Gleibson , do time sertanejo. O pé esquerdo azul e o pé direito laranja. Não sei que mandinga era essa, mas com certeza não deu certo. Ganhamos e ganhamos bem, jogando com convicção e com vontade.
Renato Boca-de-Caçapa, o filósofo coral, costuma dizer que o time que merece ganhar é o que faz mais gols. E ele está certo. Ontem, fizemos três e poderíamos ter feito mais se não fosse a falta de habilidade do nosso ataque para concluir as jogadas bem concatenadas que elaboramos. Precisamos urgentemente de um matador na área. Um ataque que saiba se colocar na posição certa e na hora certa para finalizar com sucesso. Não se perde tanto gols assim impunimente.
Ontem à noite, no Arruda, a musa coral não apareceu. Foi substituída pelos heróis da partida, como Tiago Costa, Raniel e alguns outros que construíram uma vitória bem urdida e até certo ponto tranquilizadora.
Ainda necessitamos de alguns outros jogadores para as posições mais carente, notadamente o ataque. Mas, pela primeira vez este ano, ficamos com a impressão de que o time evoluiu.

Santa Cruz 3 x 0 Serra Talhada






SANTA CRUZ 3 x 0 SERRA TALHADA

Haim Ferreira

Com plena autoridade durante os dois tempos de partida, o Santa Cruz derrotou o Serra Talhada por 3x0, na noite deste sábado (21/3), no Arruda, e já carimbou a sua classificação às semifinais do Hexagonal do Título com uma rodada de antecedência – o time, no mínimo, ficará com a 4ª colocação com qualquer combinação de resultados no complemento desta rodada hoje e na última jornada, no dia 5 de abril.
O 3x0 é um troco ao time sertanejo que bateu o Santa por esse mesmo placar. O destaque foi o golaço do garoto Raniel, o primeiro em sua carreira como profissional, abrindo o caminho para a vitória. Os outros foram de Betinho.
Agora, a equipe assume provisoriamente a vice-liderança do Estadual, com 13 pontos. Na última rodada, no Domingo de Páscoa, o Santa visitará o Sport, às 16h, na Ilha.

O JOGO

Precisando do resultado para não ter que definir a classificação às semifinais na última rodada do Hexagonal, o Santa começou se lançando ao ataque. O técnico Ricardinho testou uma nova formação no meio-campo, recuando o volante Edson Sitta e dando a Thiaguinho a responsabilidade de encostar nos atacantes. Coube a João Paulo e a Bruninho caírem pelas laterais. O reposicionamento surtiu efeito e foi refletido no domínio coral.
Durante toda a etapa inicial, o tricolor conseguia criar boas jogadas, no entanto, que não se refletiam em oportunidades claras de gol. Os lances mais perigosos saíram apenas no fim do primeiro tempo, todos; eles com participação direta do lateral-esquerdo Tiago Costa, destaque da partida.
Se na primeira etapa, o Santa criou muito, mas não conseguiu traduzir as chances em bola na rede, no segundo, a equipe voltou decidida a tirar o placar do zero. Logo no primeiro minuto, o lateral Tiago Costa, mais uma vez, fez bela jogada pela linha de fundo e cruzou para o atacante Betinho, que chutou por cima. Se o último passe “teimava” em não chegar redondo aos atacantes, o técnico Ricardinho resolveu mudar, acionando o meia Raniel.

Fonte: Jornal do Commercio, Recife, 21/3/2015

sábado, 21 de março de 2015

Tira-teima no Arruda


TIRA-TEIMA NO ARRUDA

Paulo Henrique Tavares

À época ainda seria muito cedo para qualquer veredicto sobre o Santa Cruz. O Campeonato Pernambucano fechava ali apenas a sua segunda rodada. Outras nove estariam por vir. Mas a pressão foi grande, não teve jeito. A vitória do Serra Talhada por 3×0, colocou o elenco coral e o técnico Ricardinho em rota de colisão com a torcida. Neste sábado, quase dois meses após a traumática derrota, tricolores e sertanejos se encontram novamente. Dessa vez, às 19h30, no estádio do Arruda, e com a possibilidade de os donos da casa conseguirem a classificação para a segunda fase do Estadual. O clima de revanche existe, mesmo que não verbalizado.
A confirmação da classificação antecipada do Santa Cruz não poderá ser conhecida após o jogo contra o Serra Talhada. Isso porque uma combinação de resultados simples se faz necessária para que esse desejo seja concretizado. Além da vitória do Santa Cruz, a garantia da vaga só acontecerá se Náutico e Salgueiro não vencerem seus jogos contra Sport e Central, respectivamente. Esses confrontos acontecerão no domingo, às 16h. Caso as expectativas corais se concretizem, os tricolores chegarão aos 13 pontos, com uma partida por jogar, e na última rodada, seus adversários diretos – Náutico e Salgueiro – não conseguiriam a ultrapassagem na tabela de classificação.
Durante a semana, alguns jogadores do Santa Cruz falaram sobre o possível clima de revanche que a partida contra o Serra Talhada irá proporcionar. Único titular coral em todas as oito partidas do clube no ano, o zagueiro Danny Morais preferiu desconversar. “Ninguém me verá falando disso (revanche). Se eles nos venceram foi por que tiveram méritos. Não tem isso de revanche ou qualquer coisa nesse sentido”, contou o defensor.
Ricardinho confirmou a equipe que entrará em campo no sábado. E assim como em todas as rodadas do Pernambucano, o treinador não repetirá a formação titular. As novidades: Alemão, Edson Sitta e Betinho, escalados. “Alemão vinha bem. Estava jogando com solidez e saiu por suspensão. Sacoman foi muito bem, mas acho justo o retorno de Alemão. Em relação a Sitta, volta porque é um aleta que vinha dando segurança ao setor. Não que Wellington Cézar não tenha feito isso. Mas ele é um garoto e temos que saber o momento de escalá-lo”, justificou o treinador.
Em relação ao Serra Talhada, Ricardinho espera um adversário difícil, que irá encarar o Santa Cruz de igual pra igual. “O Serra Talhada não é uma equipe abdica do ataque. Mesmo contra Náutico e Sport, eles sempre jogaram o jogo. Os atacantes tiveram liberdade. Mas em nenhum momento foi uma equipe que jogou por uma bola”, disse.

FICHA DE JOGO

SANTA CRUZ x SERRA TALHADA

SANTA CRUZ: Fred; Ninhinho, Alemão, Danny Morais e Tiago Costa; Edson Sitta, Bruninho, Thiaguinho e João Paulo; Betinho e Anderson Aquino. Técnico Ricardinho.

SERRA TALHADA: Gleibson; Marcos Vinícius, Alisson, Anderson e Rafinha; Ramon, Luciano Totó, Diogo e Paulinho Mossoró; Bebeto e Júnior Juazeiro. Técnico Cícero Monteiro.

Local: Estádio do Arruda. Horário: 19h30. Arbitro: Luiz Cláudio Sobral. Assistentes: Fernanda Colombo e Karla Renata Cavalcanti.

Fonte: Blog de Primeira, Folha de PE, 21/3/2015

Santa Cruz encara o Serra Talhada


SANTA CRUZ ENCARA O SERRA TALHADA

Felipe Amorim

Para não decidir a classificação na última rodada, contra o Sport, o Santa Cruz precisa fazer o dever de casa, hoje às 19h30, no Estádio do Arruda. Diante do Serra Talhada, adversário que impôs a derrota mais indigesta até então na temporada (3x0 no Sertão, na segunda rodada), os tricolores não só terão a chance de devolver o revés como de poder garantir um lugar na semifinal do Campeonato Pernambucano, dependendo do complemento da rodada.
A conta para se garantir na próxima fase é simples. Basta a vitória diante do Cangaceiro e o Náutico, no máximo, empatar contra o Sport, amanhã, na Arena Pernambuco.
Por conta de todos esses ingredientes da partida, o técnico Ricardinho ratificou a importância do jogo. “A equipe vem crescendo em todos os aspectos. Vamos buscar agora a nossa segunda vitória seguida, que nos colocará ou numa situação muito boa ou perto da classificação. O grupo está se consolidando, o torcedor apoiando a equipe. Estamos todos numa evolução e espero que amanhã (hoje) tudo isso traduza em jogadas para gols”, disse o técnico Ricardinho.
De volta à equipe após cumprir suspensão pelo terceiro cartão amarelo, o volante Edson Sitta acredita que o Santa Cruz manterá a ascensão para não ser surpreendido mais uma vez pelo Serra Talhada, como foi no Sertão. “Lá foi um jogo atípico e não vamos cometer os mesmos erros. Estamos vindo de uma vitória e agora é tentar embalar. Vamos atuar em casa e temos as nossas responsabilidades. Por isso, será necessário cada um de nós nos doarmos mais para assegurar a classificação”, disse.
Com o retorno de Sitta, que cumpriu suspensão, Wellington César vai para o banco. Outro que volta é Alemão, pelo mesmo motivo. Sacoman foi preterido pelo treinador. A terceira mexida foi por opção: saiu Waldison para a entrada de Betinho.

Fonte: JC, 21/3/2015

quinta-feira, 19 de março de 2015

Os primeiros campos de futebol do Recife


Campo do Santa Cruz, em Afogados

OS PRIMEIROS CAMPOS DE FUTEBOL DO RECIFE

Cassio Zirpoli

Hoje, se discute a transição de “estádio” para “arena”. Num passado distante houve um debate semelhante, entre “campo” e “estádio”. A antiga denominação fazia mais sentido, com campos murados, quase sem assentos, como os campos de várzea que conhecemos na atualidade.
Com registros históricos, incluindo o Blog do Roberto, o Blog do Mequinha e o Santa Cruz, a História e a Glória, foi possível apresentar os primeiros estádios dos grandes clubes pernambucanos na era amadora. Em ordem cronológica de abertura, Náutico, Sport, América e Santa. Até o Íbis teve um campo, onde hoje funciona o Hospital Oswaldo Cruz, em Santo Amaro, sem registro.
Voltando ainda mais no tempo, vale destacar que o primeiro jogo de futebol na cidade, Sport 2 x 2 English Eleven, em 1905, ocorreu no Campo do Derby.

AFLITOS (1918)

Em 1917, a Liga Sportiva Pernambucana, atual FPF, arrendou um terreno nos Aflitos para construir um campo de futebol. Segundo o historiador Carlos Celso Cordeiro, o objetivo era utilizá-lo nos jogos oficiais do campeonato estadual de futebol, que havia começado dois anos antes. No entanto, apenas um ano após a inauguração da cancha, a Liga desistiu do terreno e o Náutico assumiu o arrendamento do campo murado cercado por árvores (foto de 1926). Pouco tempo depois, o Alvirrubro compraria toda a área, hoje ocupada pelo estádio Eládio Barros Carvalho e a sede tombada. A arquibancada dos Aflitos como conhecemos hoje começaria a ser construída na década de 1930.

CAMPO DA AVENIDA MALAQUIAS (1918)

Antes da Ilha do Retiro, o Sport teve outro estádio, o primeiro com esse status no Recife, onde atuou 235 vezes. Entre 1918 e 1937, o Campo da Avenida Malaquias – logo na esquina com a Avenida Rosa e Silva – foi o principal praça esportiva da cidade, recebendo até oito mil espectadores. Tudo por causa da estrutura, de 75 metros de comprimento e 40 metros de largura, trazida de navio para a capital pernambucana. Sim, a arquibancada de madeira e ferro foi comprada. No Rio de Janeiro, o Fluminense se desfez de seu antigo estádio após construir as Laranjeiras, na época o maior palco do Brasil. Na Malaquias, a Seleção Brasileira jogou cinco vezes, perdendo uma vez, para o Santa Cruz.

CAMPO DA JAQUEIRA (1920)

O América teve três campos na era amadora do nosso futebol. Em 1918, o Mequinha passou a tomar conta do histórico British Club, num terreno atrás do Museu do Estado, hoje tomado por edifícios. Em 1920 o Alviverde teve a sua principal casa, o Campo da Jaqueira. Como o nome sugere, ficava onde atualmente existe o Parque da Jaqueira, mais precisamente no circuito de bicicross, pertinho da Rua do Futuro. O campo (foto de 1931) também era chamado de “América Parque”. Devido a uma crise financeira – já naqueles tempos -, o clube perdeu a praça esportiva para o Tramways. No último ano do amadorismo, o América assumiu o Campo da Avenida Malaquias, após a mudança do Sport para a Ilha.

CAMPO DE AFOGADOS (1928)

O Santa Cruz perambulou bastante na cidade até chegar no Arruda, em 1943. Muito antes do “Alçapão do Arruda”, o avô do Mundão, existiu o Campo de Afogados. O primeiro campo da história coral, na Rua São Miguel, ficava ao lado de sua antiga sede social. Na inauguração, em 8 de dezembro de 1928, o Tricolor realizou um torneio com times suburbanos, num evento com muita gente presente, com ingressos disponibilizados para “cavalheiros”, “crianças” e “carros ocupados”. No fim da festa, registrada nos jornais da cidade (reprodução abaixo), o Santa venceu o Marvelo por 2 x 1, como relata o livro História do Futebol em Pernambuco, de Givanildo Alves. Em Afogados, o clube chegou a disputar um Clássico das Multidões.

Fonte: Diario de Pernambuco

A musa coral





A MUSA CORAL

Segundo o Jornal do Commercio, a musa coral se chama Madelaine Cavalcanti. No intervalo do jogo entre Santa Cruz e Central, domingo dia 15 de março, no Arruda, ela desfilou nessas pequena passarela nas sociais do estádio, com elegância e determinação, para a alegria dos oito mil e pouco torcedores que estiveram presente.
Save Madelaine!
Salve a musa coral!

quarta-feira, 18 de março de 2015

TV Coral - Santa Cruz 1x0 Central - PE 2015


SANTA CRUZ 1 x 0 CENTRAL
Campeonato Pernambucano
Recife, 15/3/2015

TV Coral - T.C.M.O.E.E. Minha Cobra - Carnaval 2015 - Olinda


TROÇA MINHA COBRA
Olinda, carnaval 2015

Santa Cruz 1 x 0 Central


SANTA CRUZ 1 x 0 CENTRAL

Dominando o Central nos dois tempos, o Santa Cruz voltou a vencer no Campeonato Pernambucano neste domingo (15), ao vencer a Patativa por 1x0, no Arruda. Com um gol de Anderson Aquino, o Tricolor do Arruda volta ao G-4 do certame local, e afasta a pressão sobre o técnico Ricardinho.
Com a vitória, os tricolores agora ocupam a terceira posição no Hexagonal do Título, com dez pontos. A próxima partida da Cobra Coral será no próximo domingo, quando recebe o Serra Talhada, no Arruda, pela penúltima rodada do Hexagonal do Título.

O JOGO

Apresentando um bom futebol pelas laterais, com Nininho e Tiago Costa, o Santa Cruz foi superior na primeira etapa. Aos sete minutos, Nininho deu de letra para Anderson Aquino chutar. Murilo fez uma boa defesa. Logo depois, João Paulo recebeu no meio de campo e chutou no ângulo. O goleiro do Central foi buscar novamente. No fim do primeiro tempo, ainda deu tempo para Anderson Aquino marcar um gol em impedimento, após um bom lance de Tiago Costa pela direita.
Nos contra-ataques, o Central também ameaçou. Na primeira jogada, Fabiano ajeitou bem para Thiago Laranjeira. O meia tocou para Candinho meter um chutaço no travessão de Fred. Aos 39, em falta cobrada por Sóstenes, Fred fez uma excelente defesa.
No segundo tempo, com as entradas de Emerson Santos e Betinho nos lugares de Thiaguinho e Betinho, respectivamente, o Santa Cruz colocou ainda mais pressão no Central. Logo aos sete, João Paulo cruzou para Betinho que, de bicicleta, jogou para fora. Oito minutos depois, o Tricolor do Arruda abriu o placar. Após bate rebate na área, Betinho tocou para Anderson Aquino, que tirou do goleiro Murilo e balançou as redes.
Mesmo abrindo o placar, o Santa Cruz continuou em cima. Aos 21 minutos, Tiago Costa fez bom passe para Betinho que, de frente para o goleiro, chutou para milagre do goleiro caruaruense. No fim do jogo, o Tricolor do Arruda ainda teve mais uma chances, com Tiago Costa cruzando novamente para Betinho, de frente para o gol, isolar. A única jogada do Central aconteceu dois minutos depois, quando Juninho cruzou para Erick cabecear para fora.

Fonte: JC Online, 16/3/2015

domingo, 15 de março de 2015

De volta ao Estádio do Arruda
















DE VOLTA AO ESTÁDIO ARRUDA

Texto e fotografias de Clóvis Campêlo

Amigos corais, coisa boa é retornar ao Estádio do Arruda para ver o Santinha jogar e vencer. Talvez ainda não nos tenha convencido, mas isso já é outra história. As imagens acima, apesar do público pequeno de apenas pouco mais de oito mil pessoas, mostram com precisão as cores da nossa vitória e alegria.
Frequento o Arrudão desde os anos 60, quando, ainda menino, vi craques de alto gabarito vestirem a camisa coral e darem muitas alegrias a essa torcida.
Hoje, nos espantamos coma dificuldade que enfrentamos a cada jogo do Estadual 2015, o que leva a considerar a vitória de 1 x 0 sobre um Central como um bom placar.
Mas, confesso, hoje, vi com prazer o retorno de Tiago Costa à lateral esquerda do time, suprindo uma deficiência que não foi satisfeita nem com Leo Veloso e nem com Renatinho. Vi também Dani Moraes apagar a má impressão deixada nos seus primeiros jogos com a camisa coral. Outro que me agrada é João Paulo no meio de campo. O ataque, porém, ainda deixa a desejar. Precisamos de um homem de área, um centro-avante que esteja no lugar e na hora certa para fazer a bola entrar nas redes. Na frente, nossa produtividade ainda é pequena. Valdison é uma piada sem graça. Betinho só nos faz rir de vez em quando e Anderson Aquino não lembra mais aquele bom jogador que conhecíamos. Enfim, faltam-nos atacantes e gols.
Mais uma vez, contra o Central, dominamos o jogo e não aproveitamos com competência as bolas de ataque que nos favoreceram. Mas ganhamos e merecemos um crédito maior contra o Serra Talhado no próximo final de semana.
No Arruda, hoje, teve muita coisa interessante além da suada vitória coral. Pra semana, com certeza, terá mais.
Avante Santinha!