domingo, 4 de agosto de 2013

Crime & Castigo

CRIME & CASTIGO

Alberto Félix, de São Paulo

Camaradas Corais do Pina, Brasília, Cordeiro e arredores, alcoolistas e tabagistas.
Meninas e meninos Corais.
Aqui na distante pauliceia desvairada, é complicado assistir a um jogo do “Querido do Povo”.
Um amigo me avisou que o canal Brasil passaria o jogo entre nós e o time da cidade das quatro torres.
Preparei-me feito quem se prepara para encontrar a primeira namorada, banho tomado, cerveja no ponto, uma lapada de cana com limão para fechar o corpo e abrir os caminhos.
Olhe, jogo de domingo as dezenove horas é mais escroto que a final da copa de 2002 as oito da manhã.
Do jogo é melhor nem falar, eu vi um time de pé de escada com um técnico cocô de louro.
E o pior ainda estava por vir.
“Adeus, desorientado! Vai-te pro diabo, amador de uma figa! Pede para cagar e sai, murrinha!”
Disse Inácio França no blog do santinha.
Estou de pleno acordo contigo Camarada Coral.
E digo mais, o crime que a direção e comissão técnica está cometendo com “O Querido do Povo” e milhões de corações apaixonados, merecem castigo, no mínimo uma dúzia de bolos em cada mão e na sola dos pés.
Meus camaradas corais, estou a me sentir pior que aquele personagem de Crime e Castigo que tem um nome impronunciável, angustiado e triste, a vagar numa fria São Petersburgo pré-revolucionária.
Saudações Corais a todos!