segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Molhou!

Molhou!

Alberto Félix, de São Paulo

Camaradas Corais do Pina, Brasília, Cordeiro e arredores, alcoolistas e tabagistas.
Meninas e meninos Corais.
Deu merda!
Jogar por um empate é bronca, não esqueçam Sarriá 1982.
Mas menino, nós na copa do nordeste estávamos mais animados que pinto no monturo.
Isso parece coisa de catimbozeiro das bandas da Ilha de Doutor Moreau.
Olhe, eu penso que nós estamos mais para Sandoval Quaresma que Rolando Lero.
Sandoval era aquele aluno da escolinha do professor Raimundo, que quando era para ir para um dez melava tudo.
Pronto somos nós.
Embora a merda tenha começado a pegar no sábado, o alvirrosado perdeu para o Central, o boicolor se arrombou na unha do Campinense.
E nossa batata assando (quero dizer torrando).
E dai? Fodeu! Deu merda.
Em festa de bilola nós entramos de bunda!
Parei!
Mas, por mais que tudo nos seja contra, nós remamos contra a corrente só para exercitar, e bora embora que o estadual está na portinha.
Com todos os pesar e pesares.
O gol de Denis Marque foi lindo!
Eu sou Santa Cruz! O querido do povo!
Saudações Corais a todos!

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

QUERIDO DO POVO

QUERIDO DO POVO

Alberto Félix, de São Paulo

Camaradas Corais do Pina, Brasília, Cordeiro e arredores, alcoolistas e tabagistas.
Meninas e meninos Corais.
Eu não esqueci.
“O querido do Povo” noventa e nove anos.
E eu aqui na distante Sampa a jogar garrafas no mar da saudade.
Santa Cruz, nascido sob o sol e sombra da Igreja de Santa Cruz nos idos mil novecentos e quatorze.
Nascido sob o signo de aquarius.
Pense em um signo desajeitado, é esse.
Sonhador que só.
Mas, a verdade é que quando não está na bimba do boi está no rabo da gata.
Não é de ganhar por nocaute, quando ganha é na contagem de pontos.
Vive a vida sempre por um triz, sempre a beira do abismo (e de abismo conhecemos).
Um cego que tem como guia o sonho e a esperança.
Sonho, esperança e paixão, é o combustível que move essa imensa torcida.
Penso que a vida é assim mesmo, sem sonho não há esperança e muito menos paixão.
Saudações Corais a todos.