sábado, 24 de novembro de 2012

O novo técnico e as eleições


O NOVO TÉCNICO E AS ELEIÇÕES

As duas chapas que disputam as eleições do Santa Cruz, dia 7 de dezembro, estão correndo para anunciar o nome de um técnico para a temporada de 2013. A atual diretoria colocou na mesa várias opções como Marcelo Martelotte, Sidney Moraes, Márcio Goiano e Leandro Campos. A oposição trabalha mais o nome de Waldemar Lemos, ex-Náutico e Sport.
A chapa da situação Força da União e Avanço tem o presidente Antônio Luiz Neto como candidato à reeleição, enquanto a oposição Ética e Profissionalismo conta com o ex-vice-presidente Joaquim Bezerra, que se reuniu com Waldemar Lemos. Tudo depende de quem vencer o pleito à presidência para confirmar o nome do treinador. Por isso, todas as negociações são provisórias.
Para a diretoria tricolor, o perfil do futuro técnico é semelhante ao antecessor Zé Teodoro. Marcelo Martelotte, por exemplo, é considerado da nova geração. Foi assistente no Santos, chegou a comandar o time em 28 partidas como interino, enquanto Sidney Moraes, ex-volante do Sport, está no Boa Esporte e faz o último jogo da atual Série B, na tarde deste sábado (24/11), contra o Bragantino. Márcio Goiano, por sua vez, tem mais experiência e passou pelo Figueirense, Goiás, São Caetano e o ABC. Outro bastante experiente é Leandro Campos. O último clube foi o Joinville. Ele deixou a equipe catarinense na 30ª rodada da Série B.
O diretor de futebol Constantino Júnior confirmou que teve um contato com Marcelo Martelotte. Segundo ele, foi apenas uma sondagem. "O nome do treinador só deve mesmo sair depois das eleições caso o nosso grupo vença", comentou o dirigente.
No lado da oposição, Joaquim Bezerra teve um encontro com Waldemar Lemos. O treinador não conquistou títulos pelo Náutico, mas levou o time ao acesso da Série A na temporada de 2011. Este ano chegou a comandar o Sport em alguns jogos da Série A, mas terminou sendo demitido. O contrato poderia ser por dois anos. Mas nem o candidato e nem o técnico deram entrevistas.

Fonte: JC Online

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Quebra do jejum, decisão de 1957


QUEBRA DE JEJUM, DECISÃO DE 1957

No dia 16 de março de 1958, em uma tarde fria de domingo, o Santa entrava em campo para pôr fim no incômodo jejum de 10 anos sem a conquista estadual. O título valia pelo Campeonato Pernambucano de 1957 e seria decidido contra o Sport. O Santa Cruz entrou em campo com a seguinte escalação: Aníbal; Diogo e Sidney; Zequinha, Aldemar e Edinho; Lanzoninho, Rudimar, Faustino, Mituca e Jorginho. O técnico era Alfredo González. O Sport estava formado por: Manga; Bria e Osmar; Zé Maria, Mirim e Pinheirense; Roque, Traçaia, Liminha, Carlos Alberto e Geo.
A decisão foi disputada em solo inimigo, na Ilha do Retiro, pois o Sport venceu no sorteio. Caso tivesse sido vencedor, o Santa mandaria a partida nos Aflitos, estádio do Náutico, pois o tricolor ainda não possuía estádio próprio na época.
A arbitragem da partida foi composta pelo uruguaio Estéban Marino, que foi auxiliado pelos bandeirinhas Amílcar Ferreira (carioca) e José Peixoto Nova. Para o confronto, um público de 29.051 torcedores (para uma renda de 1.062.162 cruzeiros) animavam o espetáculo. No centro do gramado, o árbitro conversava com os capitães Aldemar e Mirim.
Naquele ano o Santa Cruz já havia conquistado os títulos de juvenis e aspirantes. Faltava o de profissionais, almejado durante uma longa década. E ele começou a surgir logo ao 4 minutos de jogo, com um gol de cabeça de Rudimar, após cobrança de escanteio de Faustino. A festa da torcida do Santa aumentou quando, aos 18 minutos, Lanzoninho penetra na área adversária e é abruptamente impedido por Osmar. Pênalti, que Aldemar converte. Banderinhas se agitavam na torcida do Santa, enquanto a torcida do Sport passou a vaiar seu técnico, o argentino Dante Bianchi.
Só dava Santa. Logo aos dois minutos do segundo tempo, outro gol tricolor: o então jovem goleiro Manga solta a bola nos pés de Mituca, que apenas tem o trabalho de empurrá-la para as redes. O Sport descontou aos 22 minutos, com Carlos Alberto. A reação rubro-negra continuou com o segundo gol, marcado por Zé Maria com um chute de fora da área. Porém parou por aí. O placar de 3 a 2 deu o título ao Santa Cruz, que pôde, enfim, comemorar um título de Campeão de Pernambuco após uma década de espera.
Nos anos que seguiram, por volta da década de 1970, o Santa Cruz adotou uma forma de administrar bastante democrática, sob a forma de colegiado. Durante esses anos, o Santa Cruz foi o time Pernambucano a conquistar o maior número de títulos estaduais, e vencendo a Taça Norte-Nordeste de 1967 (inclusive goleando o Remo do Pará por impiedosos 9 a 0) e constituindo-se numa das maiores expressões do futebol nordestino da época.
Mais uma vez, o clube passaria dez anos esperando antes de comemorar. Em 1969, os tricolores quebram o jejum e dão início ao pentacampeonato do estado, maior série conquistada pelo clube até hoje.

Fonte: Wikipédia

domingo, 18 de novembro de 2012

CLÁSSICO ETERNO


CLÁSSICO ETERNO

Alberto Félix, de São Paulo

Camaradas Corais do Pina, Brasília Cordeiro e arredores, alcoolistas e tabagistas.
Meninas e meninos Corais.
Emergindo do período sabático só para falar de uma partida de futebol no distante Bálcãs, na explosiva Belgrado.
Os Bálcãs, terra de povos exacerbadamente nacionalistas e revolucionários.
Foi em Sarajevo, que ditos anarquistas acederam o estopim para a primeira guerra mundial com o assassinato do arquiduque do império austro-húngaro Francisco Fernando e sua esposa Sofia.
Isto posto, voltemos as quatro linhas.
O Clássico Eterno.
Estrela Vermelha e Partizan.
Em minha adolescência e juventude no Recife, eu ouvia falar ou lia na revista O Cruzeiro, sobre o Estrela Vermelha, time pelo qual acabei tendo simpatia.
Penso que germinava em mim a semente esquerdista.
Certa feita, eu já morando aqui em Osasco, eu mais uns camaradas, pensamos em organizar o “Estrela Vermelha de Quitaúna”.
Um camarada com mais sanidade que nós concluiu que isto seria como cutucar onça com vara curta e findamos por ficar no plano das ideias.
O jogo foi 3x2 de virada, com vitoria do Estrela Vermelha, teve gol contra e o escambau!
No Brasil o sérvio mais popular é sem duvida Dejan Petkovic, meio-campista bom que só, nascido nas categorias de base do Estrela Vermelha, passou pelo Real Madrid e veio dar com os quartos na terra brasilis.
Onde sua estrela brilhou mesmo foi no Flamengo do Rio de Janeiro, pense em um batedor de faltas, escanteios e lançamentos cirúrgicos, pronto, ele era o cara.
Eu fico imaginando se houvesse um campeonato (pode ser até que exista) nos moldes da UEFA, só com times balcânicos?
Pense numa partida Kosovo e Servia!
Pura Nitroglicerina.
Melhor não.
Saudações Corais a todos.

sábado, 17 de novembro de 2012

Santa Cruz nega contratação de Marcelo Martelotte


SANTA CRUZ NEGA CONTRATAÇÃO DE MARCELO MARCELOTTE

A diretoria do Santa Cruz tem trabalhado para manter a base do elenco para 2013. Mas falta ainda a definição de um técnico para o lugar de Zé Teodoro. Na tarde desta sexta-feira (16/11), surgiu a informação de que um dos nomes é o do ex-goleiro Marcelo Martelotte, 43 anos, que está no Ituano. O ex-jogador é um velho conhecido da torcida tricolor, que guarda boas recordações, principalmente pela conquista do histórico título pernambucano de 1993, quando o time virou em cima do Náutico (2x1) no tempo normal, com um gol do ex-atacante Célio, e segurou o 0x0 na prorrogação.
O presidente Antônio Luiz Neto, no entanto, assegurou que o nome do ex-jogador não foi comentado e nem entrou na lista definida pela diretoria de futebol. Mesmo assim, o mandatário tricolor elogiou Marcelo Martelotte, mas lembrou que o novo técnico só deve ser anunciado após as eleições, dia 7 de dezembro, quando concorre à reeleição contra o candidato da oposição Joaquim Bezerra.
"Para mim é até uma surpresa o nome de Marcelo, que foi nosso atleta, um excelente profissional. Mas não foi colocado na mesa pela nossa diretoria de futebol. Vamos aguardar as eleições. No momento, estamos mais preocupados com as renovações de alguns jogadores e a manutenção da base do elenco para 2013", argumentou o presidente.
Com o técnico ainda indefinido, Antônio Luiz Neto se mostra preocupado com as renovações de jogadores considerados importantes. Como o goleiro Tiago Cardoso e o atacante Dênis Marques. Sobre o artilheiro, o presidente chegou a considerar difícil a permanência do atleta, pois ele não aceita reduzir o salário de R$ 40 mil.
"Dênis veio para o Santa Cruz, fez um contrato de risco e recomeçou a sua carreira (passou um ano parado). Depois da conquista do bicampeonato pernambucano tivemos que renovar e o fizemos de acordo com a nossa condição financeira. Agora, a situação mudou. Mesmo assim, ainda vamos tentar a sua permanência, mesmo sabendo que ele tem proposta de outros clubes", argumentou o presidente.
O meia Leandro Oliveira, por sua vez, não fica para a próxima temporada e retorna para o Noroeste. Antes deles, Chicão, Fabrício Ceará, Branquinho, Ramalho, Diogo e Luciano Henrique, também foram liberados. O atacante Flávio Caça-Rato tem proposta do XV de Piracicaba e é outro que não deve permanecer no Arruda.

Fonte: JC Online

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Zé Teodoro não volta


ZÉ TEODORO NÃO VOLTA

Apesar de não ter conseguido o acesso para a Série B do ano que vem, o técnico Zé Teodoro saiu do Santa Cruz com o sentimento de dever feito. Além disso, o treinador continuar gozando de prestígio com a diretoria coral. No entanto, apesar desse bom relacionamento, o atual presidente do clube e candidato à reeleição Antônio Luiz Neto garante que não o trará de volta mesmo que ganhe o pleito, marcado para o fim do ano. "Ele tem propostas que não podemos cobrir, infelizmente. Quem sabe no futuro. Zé Teodoro é para o Santa Cruz o que Muricy é para o Náutico", disse.
O atual mandatário ainda voltou a destacar que não participará de debates com o opositor Joaquim Bezerra por conta da disputa eleitoral no clube. "O grande debate já fazemos aqui no Santa Cruz", afirmou.

Fonte: Jc Online

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Dênis Marques ainda indefinido


DÊNIS MARQUES AINDA INDEFINIDO

A renovação do contrato do atacante Dênis Marques está cada vez mais complicada. O artilheiro do Santa Cruz na temporada com 27 gols ainda não deu uma resposta sobre a proposta do tricolor, pois estaria analisando o interesse de outros clubes, especialmente da Série A do Brasileiro.
"A gente sabe que Dênis está muito valorizado. Oferecemos uma boa proposta e só estamos esperando uma resposta do jogador", disse o diretor de futebol Constantino Júnior, na tarde desta quarta-feira (14/11).
Outra negociação indefinida é a do goleiro Tiago Cardoso. O atleta está analisando a possibilidade de atuar por um clube da Série B ou da Série A. A informação foi passada pelo empresário do atleta Ytalo Pontes.
Os atacantes Branquinho e Fabrício Ceará foram desligados oficialmente do clube. O primeiro será devolvido ao América, enquanto o segundo retorna para o Salgueiro.

Fonte: JC Online

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Santa Cruz assegura 14 jogadores para temporada 2013


SANTA CRUZ ASSEGURA 14 JOGADORES PARA TEMPORADA 2013

Publicado em 13/11/2012, às 18h46
Do JC Online

O Santa Cruz tem 14 jogadores assegurados para a temporada de 2013. Cinco renovaram os seus contratos, enquanto nove já tinham compromisso mais longo com o clube. A diretoria ainda trabalha as renovações do goleiro Tiago Cardoso e do lateral Marcos Pimentel, que acertaram as bases financeiras, mas ainda não assinaram a documentação. Outra prioridade é a permanência do atacante Dênis Marques, considerada difícil devido ao alto salário do atleta, pois todas as reformas contratuais estão tendo redução do salarial.
O novo contrato de Marcos Pimentel será até o término do Campeonato Pernambucano. O diretor de futebol Constantino Júnior adiantou que o acordo está fechado. O goleiro Tiago Cardoso também está na mesma situação, mas com uma renovação mais longa, embora não tenha sido revelado o período, que deve ser até o final de 2013.
“Estamos aguardando apenas a assinatura dos contratos. As negociações foram boas e não acredito em dificuldades. Marcos Pimentel e Tiago Cardoso estão bem encaminhados e dentro da nossa política financeira”, explicou o dirigentes tricolor.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Duas chapas lutam pelo poder no Santa Cruz


DUAS CHAPAS LUTAM PELO PODER NO SANTA CRUZ

Publicado no JC Online, em 10/11/2012

O Santa Cruz terá uma eleição que vai mexer com a torcida e com os sócios, no dia 7 de dezembro. De um lado, a chapa Força da União e Avanço, da situação, que tem o presidente Antônio Luiz da Silva Neto, advogado, professor e vereador do Recife, como candidato à reeleição, enquanto a chapa da oposição Ética e Profissionalismo conta com Joaquim José Bezerra Neto, advogado e administrador de empresas, ex-presidente executivo, que rompeu com a atual administração logo depois da conquista do bicampeonato pernambucano, em maio deste ano.
As eleições tricolores têm um fato especial. O próximo biênio (2013/14) marca o centenário do clube. Em 2014, o Santa Cruz completa 100 anos de fundação. Por isso, a situação e a oposição estão cientes da importância do pleito e da expectativa da torcida. A diretoria atual trabalhava com a meta de três acessos seguidos, para o time estar na elite nacional no ano do centenário. Mas o planejamento foi por água abaixo com a eliminação ainda na 1ª fase da Terceirona.
Antônio Luiz Neto acena no seu programa de gestão com a transformação do Estádio José do Rego Maciel em uma moderna arena. Além disso, existe o projeto de construir um centro de compras em torno do estádio. “É uma forma de dar ao clube as condições de ter independência financeira”, acredita o atual presidente, que ainda não divulgou o nome da empresa com quem faria a parceria.
No lado da oposição, Joaquim Bezerra concorda com a modernização do estádio, que ele calcula em cerca de R$ 200 milhões. Ao mesmo tempo, ressaltou que para construir o CT de Aldeia, o Santa Cruz precisaria de R$ 10 milhões. “O nosso objetivo é chegar no centenário com o clube equilibrado financeiramente. A partir daí, todos os projetos serão analisados.”
Um desafio é solucionar o passivo do clube. As informações dão conta que o débito com a Justiça do Trabalho chega a R$ 34 milhões, enquanto na Justiça Federal seria de R$ 35 milhões. Um total de R$ 69 milhões. O presidente Antônio Luiz Neto destacou que foi feito um acordo, e o clube está cumprindo religiosamente. “Hoje o Santa Cruz tem credibilidade. Por isso, a Justiça concordou em fazer um acordo. Não precisamos morrer para pagar o que devemos”, ressaltou.
A proposta de Joaquim Bezerra é administrar o passivo de forma separada. “Vamos colocar um administrador de débito. O lado positivo fica para manter o clube, pagar fornecedores, salários e os demais serviços do clube.”
A principal crítica do candidato de oposição é em relação à falta de profissionalização do clube. Segundo ele, a folha salarial passou em muito do orçamento definido para 2012. “Para se ter uma ideia Dênis Marques (atacante), além do salário (R$ 40 mil) ainda ganhou luvas de R$ 200 mil. Fabrício Ceará recebia R$ 25 mil e ainda teve luvas de R$ 50 mil”, revelou.
O candidato da chapa Ética e Profissionalismo ainda mostrou todas as prestações de conta quando comandava o setor administrativo e financeiro. Segundo ele, na temporada passada, a folha estava em torno dos R$ 230 mil. Para disputar a Série D e conseguir o acesso à Série C do Brasileiro, ficou definido um aumento de quase R$ 90 mil para reforçar o time, o que elevaria a folha para R$ 320 mil. No total, cerca de R$ 380 mil somando a comissão técnica. Depois com várias contratações e aumentos salariais a folha chegou aos R$ 750 mil, segundo Joaquim Bezerra. A diretoria atual nega esse valor.

domingo, 11 de novembro de 2012

Chegou a Hora!

Chegou a Hora!

Alberto Félix, de São Paulo

Camaradas Corais do Pina, Brasília Cordeiro e arredores, alcoolistas e tabagistas.
Meninas e meninos Corais.
Mês que entra haverá eleições no país Santa Cruz.
É bronca.
Eu digo que é bronca por conta de quantas e quantas vezes passamos por eleições e vimos plataformas e projetos fazerem água e os sonhos tornarem-se esperanças perdidas.
É triste, espia tu.
O Palmeiras quando elegeu Luiz Gonzaga Beluzzo, pensei comigo que o time daria uma virada; seria exemplo, que nada, foi um fiasco.
O Vasco elegeu Roberto Dinamite, ídolo inconteste vascaíno, pensei comigo, que massa! Mal sabia eu que Roberto Dinamite acabaria euricando.
O Flamengo elegeu Patricia Amorim, pensei comigo, uma presidente com a marca do urubu da medula ao DNA, que triste ocaso.
Não existe coisa mais atrasadas que eleições em nossos clubes, em muito assemelhando-se as eleições da Velha Republica coronelista.
Como diz um amigo meu palmeirense, mais verde que a folha mais tenra do hortelã e carcamano que só.
“Tutti buona genti, ma tutti ladri”
E nós, Corais?
Vem presidente, vai presidente, é como diz o outro, só trocamos a mosca e a pereba continua.
Não quero aqui falar e cair no ramerrão de que temos a mais invejável e apaixonada torcida do Brasil, quiça do mundo!
É uma verdade verdadeira, e pronto.
Eu gostei da escalafobética plataforma do pessoal do Blog do Santinha, tão revolucionaria quanto a música de nosso saudoso coral Chico Science.
Bom, quem for de votar, vote.
Mas, votai por nós.
Saudações Corais a todos.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Até Para o Ano

ATÉ PARA O ANO

Alberto Félix, de São Paulo

Camaradas Corais do Pina, Brasília Cordeiro e arredores, alcoolistas e tabagistas.
Meninas e meninos Corais.
Entramos em um longo período sabático.
Tempo de reflexão, contrição e resignação.
Escrevo para o mais humilde irmão coral, do Coque, dos Altos, das palafitas do estuário do Pina.
Como eu destila essa dor, tira o sebo e guarda o amor e paixão coral na caixa dos peitos.
Chega de pena e piedade! Chega de lamurias!
Voltaremos! E seremos milhões!
Se o Santa Cruz fosse um estudante do ensino fundamental, ou médio, aqui em Sampa teria direito a progressão continuada e não seria um repetente de serie.
A vida continua, a bola rola e o tempo passa.
Com este balaio de limão que ganhamos vamos fazer uma limonada e o que sobrar tomaremos cachaça com limão na praia do Pina.
No velho mundo está rolando a UEFA.
Eu sou Red Devils, Man United.
Cada jogo bom de ver que só.
Espia tu camarada coral, Barcos atacante do Palmeiras, numa semana provoca uma celeuma dos diabos com um gol de mão, na outra faz um lindo gol, pegou uma bola na grande área matou no peito jogou no terreno e com um tirambaço fez um gol.
Não salvou a pátria e a lavoura Palestrina, mas que foi bonito foi.
Eu acredito é na rapaziada.
Pois é, a foto que ilustra o texto é Vitor, guri bom de bola, filho de José, um amigo fraterno.
Vitor, corintiano até a medula, em uma apresentação de sua escolinha de futebol no Pacaembu.
O guri é miudinho mas parece um marimbondo em fogo com a pelota.
Saudações Corais a todos.

domingo, 4 de novembro de 2012

De novo, uma crise coral


DE NOVO, UMA CRISE CORAL

Henrique Queiroz

O Santa Cruz vive um drama que se arrasta desde a queda da Série A em 2006. A apaixonada torcida tricolor sofre com a situação do clube fora da elite do futebol brasileiro. O time chegou ao fundo do poço ao despencar para a Série D, divisão em que passou três anos. Um certo alívio veio quando a equipe, na temporada passada, subiu para a Série C. O projeto era chegar à Série B de 2013 e alcançar a divisão principal para comemorar ao centenário em 2014, ano de Copa do Mundo, entre os grandes clubes do Brasil. Não deu certo. O time sequer se classificou para a segunda fase da atual Série C, que culminou, na quinta-feira passada, com a demissão do técnico Zé Teodoro.
A situação fica mais grave com o encerramento da temporada de 2012 com tanta antecedência. O resultado se reflete no caixa. Afinal, a principal fonte de arrecadação do clube é a sua torcida. A maior prova veio com a divulgação de uma pesquisa da Pluri Consultoria. Na temporada de 2011, o Santa Cruz ficou na 39ª nona posição mundial em média de público, com 36,9 mil torcedores por jogo. Ficou à frente até do Corinthians, 65º com 29,4 mil.
Ao assumir a presidência em 2011, Antônio Luiz Neto tinha como prioridade tirar o clube no buraco das divisões de baixo. Tudo indicava que a missão seria cumprida. Afinal, o time saiu do inferno da Série D. Além disso, conseguiu inclusive um bicampeonato pernambucano, que não estava previsto. Foi uma conquista extra. A autoestima do torcedor foi recuperada. Agora, na próxima temporada, o Santa Cruz terá que disputar a Série C pela terceira vez.
“A eliminação foi um golpe duro. Mas temos de reconhecer que o time não encaixou. A nossa campanha foi irregular. Em nenhum momento, mostramos futebol para chegar entre os quatro primeiros do nosso grupo e conseguir a classificação. Por isso, só temos de pedir desculpas a nossa imensa torcida, que não nos faltou em nenhum momento”, declarou o presidente.
No Grupo A, o do Santa Cruz, só havia mais dois clubes com camisa e tradição. O Paysandu e o Fortaleza, os dois estão na fase de mata-mata que leva ao acesso à Série B. Os paraenses ficaram com a quarta vaga, enquanto os cearenses foram os primeiros colocados. Além disso, estão cumprindo bem o papel para recuperar o prestígio no futebol brasileiro. Os outros dois classificados foram o Luverdense, segundo lugar, e o Icasa na terceira posição. Fato que só aumentou as críticas ao treinador e a diretoria.

“Com a tradição e a camisa que o Santa Cruz tem não há como explicar uma situação que se arrasta há tantos anos. Os que nos serve de motivação é o clube ter força para reagir no próximo ano. Os clubes que estão na Série C ou D vivem constantemente com uma crise nas finanças. Os patrocinadores são raros. Temos de voltar a elite de todo jeito”, comentou Antônio Luiz Neto.
A irregularidade do time pode ser exemplificada no fato de não ter vencido nenhuma partida fora de casa. Foram quatro derrotas e quatro empates. A derrota que decretou a eliminação foi justamente na 18ª e última rodada da primeira fase. O Santa só precisava de uma vitória simples, mas caiu por 1x0 diante do Águia, em Marabá. Além disso, o tricolor teve resultados comprometedores dentro de casa. O empate com o Guarany de Sobral, na estreia, foi um deles. O mesmo resultado ocorreu fora do Arruda. O confronto direto com o Fortaleza foi outro, quando o time perdeu por 2x1.
A temporada de 2013 vai ser cheia. Até lá, a diretoria tem de resolver várias pendências, principalmente solucionar o pagamento dos salários de setembro, outubro, novembro e dezembro. Ao mesmo tempo, o presidente vai enfrentar uma chapa de oposição nas eleições no dia 7 de dezembro, como também tem de tentar as renovações de alguns jogadores importantes como o atacante Dênis Marques, os zagueiros Vágner e Édson Borges e o goleiro Tiago Cardoso.


Publicado no Jornal do Commercio, Recife, 04/11/2012

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Zé Teodoro não é mais técnico do Santa Cruz

Depois de dois anos de trabalho, Zé Teodoro não é mais técnico do Santa Cruz 

A era Zé Teodoro no Arruda chegou ao fim. A confirmação veio através do diretor de futebol Constantino Júnior, que alegou a falta de um acerto financeiro para a saída do técnico.

Segundo Constantino, Sandro Barbosa e demais membros da comissão técnica seguem no clube. Ele comentou que ainda não há o nome de um substituto para o comando
técnico.

Fonte: Agência CoralNET de Notícias